Redes Sociais

Escócia

Cientista britânico pede que pare o lançamento global da rede 5G até que as questões de saúde sejam abordadas

Thaís Garcia

Publicado

em

A maior parte do mundo está aguardando ansiosamente o lançamento da nova quinta geração (5G) de sinal para seus dispositivos digitais. Embora os gigantes das telecomunicações prometam que essa nova rede fornecerá mais conectividade do que nunca, alguns ainda estão preocupados com o que esses sinais de alta potência farão à saúde humana. Um professor da University of Edinburgh (Universidade de Edimburgo) está dando um passo adiante; instando as nações e os provedores de rede a interromper o lançamento do 5G até que suas ondas de rádio sejam comprovadamente seguras para exposição humana.

Em um artigo de opinião publicado no Journal of Epidemiology & Community Health, o professor John William Frank, do Usher Institute, afirma que os campos eletromagnéticos de radiofrequência (RF-EMFs) podem ser potencialmente prejudiciais às pessoas. Ele afirma que a densidade do transmissor que o sinal 5G precisa vai acabar expondo mais pessoas a altos níveis de RF-EMFs.

O estudo observa que o 5G está sendo celebrado em todo o mundo como uma nova era nas telecomunicações; trazendo benefícios econômicos e de estilo de vida para usuários de telefone e internet. As implicações dessas ondas de rádio para a saúde, no entanto, continuam a despertar o debate entre os cientistas.

O Prof. Frank diz que há quatro áreas críticas de preocupação que não foram abordadas em relação ao 5G. Primeiro, Frank diz que faltam informações claras sobre a tecnologia que as empresas de telecomunicações estão usando para fazer a rede 5G. Ao mesmo tempo, há uma quantidade crescente de pesquisas apontando para RF-EMFs interrompendo a biologia humana.

Em segundo lugar, Frank argumenta que há uma falta quase completa de estudos epidemiológicos que examinem os impactos da exposição ao 5G na saúde. O professor também está preocupado com novos estudos de saúde que mostram evidências de que a exposição a sinais mais antigos (como 3G e 4G) pode causar problemas de saúde também.

Por último, Frank aponta para as acusações de que algumas autoridades reguladoras nacionais de telecomunicações não estão baseando seus padrões de segurança RF-EMF na ciência moderna, uma vez que políticas mais rígidas podem causar um conflito de interesses.

Estudos anteriores de “qualidade científica variável”

O estudo apontou que o 5G usa uma frequência muito mais alta, com ondas de rádio medindo entre 3 e 300 giga-hertz. A rede também usa uma tecnologia de suporte nova e relativamente não testada que permite aos usuários transmitir mais dados.

Frank diz que a fragilidade da rede significa que o 5G precisa de mais antenas de reforço do que os sinais 2G, 3G e 4G mais antigos. Esses sinais mais antigos usam ondas de baixa frequência. Essa densa rede de transmissão ajuda os desenvolvedores 5G a cumprir sua promessa de conectividade “em qualquer lugar / a qualquer hora”.

Apesar de outros estudos geralmente declararem sinais 5G inofensivos para humanos, o Prof. Frank argumenta que muitos têm “qualidade científica variável”.

Os pesquisadores acrescentam que há “um número crescente de engenheiros, cientistas e médicos internacionalmente conclamando os governos a elevar seus padrões de segurança para RF-EMFs, comissionar mais e melhores pesquisas e adiar novos aumentos na exposição pública, enquanto aguardam evidências mais claras de segurança”.

O estudo observa que os limites máximos de segurança atuais para exposição a RF-EMF variam significativamente dependendo do país em que você mora. Além disso, a definição de “5G” ainda não é consistente no que diz respeito à tecnologia e aos componentes que cada empresa utiliza.

“É altamente provável que cada uma dessas muitas formas de transmissão cause efeitos biológicos um pouco diferentes – tornando virtualmente impossível a pesquisa sólida, abrangente e atualizada sobre esses efeitos”, explica Frank em um comunicado à mídia.

“Teorias de conspiração à parte”

O estudo descobriu que há evidências recentes de que a exposição a RF-EMF pode causar efeitos abrangentes na saúde reprodutiva, fetal, oncológica, neuropsiquiátrica, cutânea, ocular e imunológica. Não há, entretanto, nenhuma prova de que essas ondas de rádio estejam causando a disseminação da covid-19.

“Existem relatos de comentaristas experientes” na web desmascarando essa teoria, e nenhum cientista ou publicação respeitável a apoiou”, disse o pesquisador. “A teoria de que 5G e EMFs relacionados contribuíram para a pandemia não tem base.”

Teorias de conspiração à parte, o estudo de Frank conclui que há evidências suficientes para invocar “o princípio da precaução” quando se trata de implantar essa nova rede – independentemente do impacto econômico.

“Até sabermos mais sobre o que estamos entrando, do ponto de vista ecológico e da saúde, esses ganhos putativos precisam esperar”, conclui Frank.