Redes Sociais

Mundo

Disney leva agenda LGBT para o próximo nível e adiciona romance gay adolescente em nova série infantil

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Fred Hayes / Disney+

O serviço Disney+ nos EUA, produtor de mídia infantil, está promovendo uma agenda LGBT para crianças introduzindo o primeiro romance gay adolescente em sua nova série “High School Musical: The Series”.

O Newsbusters relatou que o episódio de 6 de dezembro da série, intitulado “Homecoming” (Regresso a casa), apresenta a dança do baile de formatura do ensino médio, na qual um membro do elenco masculino convida outro membro do elenco masculino para uma dança lenta juntos.

A colunista do Newsbusters, Lindsay Kornick, escreveu: “A única coisa pior do que a trama terrivelmente monótona e imoral é a mídia que a glorifica”.

Em uma entrevista ao The Los Angeles Times, o criador da série, Tim Federle, parece denunciar o High School Musical original por não mostrar o lado gay da vida adolescente e planeja aproveitar a “oportunidade” para “surpreender os espectadores”.

“Tenho uma oportunidade no Disney +, que, à sua maneira, tenta se anunciar como um canal de streaming em que eles vão surpreender os espectadores”, disse Federle.

A atriz Sofia Wylie, que interpreta a personagem Gina, disse ao jornal que acha que o objetivo é tornar as relações homossexuais adolescentes mais normalizadas.

O “High School Musical” foi feito para TV e começou em 2006 no Disney Channel. Quando o seu terceiro filme apareceu em 2008, era tão popular que a Disney o lançou nos cinemas antes de transmiti-lo em seu canal.

Agenda LGBT
A Disney e outras elites de Hollywood se empenharam em adotar a agenda LGBT.

O primeiro foi o Disney Channel, que introduziu um romance adolescente gay em sua série, agora cancelada, “Andi Mack”.

No ano passado, a Disney lançou seu primeiro personagem abertamente gay em seu próximo filme, “Jungle Cruise”, que aparecerá nos cinemas em julho de 2020.

Filme “Jungle Cruise”.

Em março passado, Rob Marshall, o diretor abertamente gay de ‘Mary Poppins Returns’, disse que a próxima parte do filme clássico deve promover os direitos LGBT.

Em janeiro, a empresa que Walt construiu anunciou que estava trazendo orgulho LGBT a um de seus parques temáticos pela primeira vez em sua história. Ela patrocinou seu próprio desfile de diversidade LGBT. O evento chamado “Magical Pride” aconteceu no dia 1º de junho na Disneyland Paris, na França.

Não é só a Disney que está nesse ativismo LGBT. A série animada de televisão infantil “Arthur“, apresentou um personagem que se “casou” com seu parceiro em um “casamento” do mesmo sexo.

Desenho animado “Arthur”.

A Disney também recebeu reações dos fãs nos últimos anos sobre sua agenda LGBT.

Em 2017, um advogado do Mississippi, que se identificou como homossexual, se opôs ao conteúdo “gay” no remake ao vivo da Disney de “A Bela e a Fera”, dizendo que as crianças não devem ser expostas a tópicos adultos que procuram destruir sua inocência.

Em um artigo de Orlando Sentinel, Joseph R. Murray disse que a empresa está se afastando da visão original de Walt Disney para “entreter as crianças” e agora está promovendo uma agenda política.

“A visão para o mundo de Walt era clara: entreter as crianças. Os personagens da Disney eram sobre esperança, otimismo e, acima de tudo, garantir que as crianças pudessem desfrutar de sua inocência pelo tempo que o mundo exterior permitir. E a Disney entendeu que parte do sua missão era fornecer um buffer pelo maior tempo possível”, escreveu Sentinel.

“Em algum lugar ao longo da trajetória, a Disney saiu do curso”, continuou ele. “Já não se via como defensora da inocência das crianças. Em vez disso, via-se como um canal para a mudança social. Walt Disney se tornou Harvey Milk”.

A Disney também apresentou uma personagem lésbica na ‘Doc McStuffins’ para crianças de 2 a 5 anos, dois anos atrás.

Desenho animado ‘Doc McStuffins’.

E 2017 também foi o ano em que a Disney ganhou as manchetes ao exibir um desenho animado mostrando homens gays se beijando.

Desenho animado da Disney: ‘Star vs. The Forces of Evil’.

Como resultado, o evangelista e reverendo americano Franklin Graham e outros conservadores pediram aos pais que boicotassem a “agenda LGBT” da Disney.

“Eles estão tentando colocar a agenda LGBT nos corações e mentes de seus filhos – cuidado! A Disney tem o direito de fazer seus desenhos animados, é um país livre. Mas, como cristãos, também temos o direito de não apoiar sua empresa. Espero que os cristãos em todos os lugares digam não à Disney”, disse ele em um post no Facebook.

https://ar-ar.facebook.com/FranklinGraham/posts/1423857191003791

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites