Redes Sociais

Israel

Denunciante revela corrupção maciça da Autoridade Palestina

Segundo Jadalah, o dinheiro doado pela União Europeia estaria sendo usado para enriquecer a família de Abbas.

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: © REUTERS

O presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas e seus conselheiros mais próximos estão novamente envolvidos em um novo escândalo. O escândalo veio à tona na semana passada, de acordo com uma análise de Yochanan Visser publicada pelo Arutz Sheva.

Yasser Jadalah, ex-chefe do departamento político da AP, entregou centenas de arquivos “secretos” ao governo belga e à União Europeia com evidências de corrupção generalizada no topo da AP.

Segundo o denunciante palestino, o dinheiro doado à AP pela União Europeia e pelos países árabes está desaparecendo, entre outras coisas, em contas bancárias secretas dos netos de Abbas.

Apenas três pessoas no escritório de Abbas estavam cientes das práticas corruptas de transferir dinheiro de doadores para as contas bancárias: o próprio Abbas, seu secretário Intesar Abu Amara e seu vice-chefe de gabinete Mahmoud Salameh.

Em um vídeo, Jadalah, que agora solicitou asilo político na Bélgica, diz que Abu Amara e Salameh Abbas se isolam de outros funcionários da AP.

Quando os chefes das forças de segurança, ou chefes de outras organizações, querem dinheiro, precisam primeiro bajular Abu Amara e Salameh, antes de ter acesso a Abbas.

Abbas queria encobrir essas ações criminais e ordenou que todas as contas do escritório fossem destruídas a cada seis meses. Isso seria feito por razões de segurança, mas, na realidade, isso acontece quase todos os dias, de acordo com a Jadalah.

Na semana passada, Abbas também ordenou que ocultassem milhares de arquivos da Autoridade Palestina em várias cidades palestinas como precaução contra um possível confronto com o exército israelense, que poderia invadir essas cidades assim que os árabes palestinos respondessem com uma nova onda de terror à implementação da Lei israelense em partes da Cisjordânia.

Yochanan Visser observa que resta saber se a UE tomará medidas contra a AP depois de receber evidências de que o dinheiro do contribuinte europeu está sendo usado para enriquecer a família de Abbas.

“Eu costumava trabalhar com o deputado holandês da UE, Paul van Buitenen”, diz ele, “que obteve evidências claras de que o ex-líder da AP, Yasser Arafat, estava usando ajuda externa para pagar terroristas da milícia Tanzim e das brigadas Al-Aqsa por seus ataques terroristas assassinos durante a chamada Segunda Intifada”.

O político holandês da UE recebeu essas evidências de um membro israelense do Parlamento (Knesset), que obteve informações de fontes das forças armadas israelenses que participaram da ação israelense contra a sede de Arafat, o Muqata em Ramallah.

Paul van Buitenen fez todos os esforços para informar a UE sobre o abuso, mas sem sucesso. Ele se opôs de todos os lados da UE e, depois de uma dura batalha que durou anos, o membro da União Europeia renunciou desapontado e deixou a política.

Segundo a análise de Visser, a UE provavelmente não fará nada com os arquivos que Adalah lhes deu.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites