Redes Sociais

Japão

Coronavírus: Disney e Universal Studios na Ásia fechados devido ao caos do surto

“A saúde e a segurança de nossos hóspedes, embaixadores e animais são nossa principal prioridade”, diz nota.

Thaís Garcia

Publicado

em

Johannes Eisele | AFP

A Tokyo Disneyland confirmou que será fechada de sábado a 15 de março devido a preocupações com a disseminação de infecções por coronavírus no Japão. A mudança significará que todos os parques temáticos da Walt Disney na Ásia estão temporariamente fechados.

A operadora do parque Oriental Land Co. Ltd. disse que a Tokyo Disneyland e a DisneySea serão fechadas após uma recomendação do governo de que grandes reuniões e eventos sejam cortados por duas semanas.

A Oriental Land disse em seu site: “Planejamos reabrir em 16 de março, mas faremos um anúncio depois de manter contato próximo com instituições relevantes”.

O parque temático de Osaka, Universal Studios Japan, será fechado no mesmo período.

O fechamento ocorre um dia depois que o primeiro-ministro, Shinzo Abe, pediu que todas as escolas fossem fechadas até o novo ano acadêmico começar no início de abril.

As ações da Oriental Land fecharam em alta de 0,66% nesta sexta-feira (28), com os investidores já cotando os fechamentos depois de uma queda de mais de 17% desde o início do ano.

Os parques temáticos da Disney em Xangai e Hong Kong permanecem fechados por mais de um mês, e a empresa no início deste mês alertou para um impacto negativo nos resultados do segundo trimestre.

A empresa informou em uma teleconferência em 5 de fevereiro que o fechamento do parque de Xangai pode impactar o lucro operacional em cerca de US $ 135 milhões se for fechado por 2 meses.

EUA

Na terça-feira (25), as principais autoridades de saúde dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças alertaram que o coronavírus quase certamente se espalhará nos EUA e que os americanos precisam se preparar.

“Não se trata tanto de saber se isso acontecerá mais, mas mais realmente de quando acontecerá – e quantas pessoas neste país terão doenças graves”, disse a Dra. Nancy Messonnier, diretora do Centro Nacional para CDC do CDC. Imunização e Doenças Respiratórias, em um briefing.

Quanto à Flórida, onde a indústria do turismo é parte integrante da economia, o impacto potencial do vírus nas viagens é uma grande preocupação. Embora não haja casos confirmados de coronavírus no estado, os parques temáticos estão monitorando de perto os desenvolvimentos.

“A saúde e a segurança de nossos hóspedes e membros da equipe são nossa principal prioridade”, afirmou Alyson Lundell, porta-voz da Universal Orlando. “Estamos em contato com autoridades de saúde e outras pessoas em nossa indústria e estamos monitorando de perto a situação”.

Durante uma teleconferência de resultados na manhã de quarta-feira (26), o CEO do SeaWorld, Serge Rivera, disse que os parques da empresa não tiveram um impacto perceptível nos negócios devido ao vírus. Mas um porta-voz do SeaWorld disse que a empresa está em contato com autoridades de saúde para garantir a segurança dos hóspedes e funcionários.

A saúde e a segurança de nossos hóspedes, embaixadores e animais são nossa principal prioridade. Em questões relacionadas à saúde pública, nossos parques são direcionados ao Departamento de Saúde da Flórida ou outra agência estadual e Centros de Controle de Doenças. (CDC). Empregamos rigorosos padrões de saneamento em nossos parques”, disse o porta-voz em um e-mail. 

“No momento, não são prescritas medidas adicionais para a nossa localização. No entanto, continuaremos a colaborar com as autoridades de saúde, monitorar a situação quanto a mudanças e agiremos de acordo.”

Na Disney World, vários funcionários que retornaram recentemente de uma viagem à Itália foram instruídos a ficar em casa. Um porta-voz da Disney disse que a decisão estava “com muita cautela”, pois não há casos suspeitos de coronavírus na Disney.

Coronavírus no mundo

As esperanças de que o coronavírus fosse contido na China desapareceram, quando as infecções se espalharam rapidamente pelo mundo. Países atingidos pelo vírus começaram a estocar equipamentos médicos e os investidores fugiram na expectativa de uma recessão global.

O vírus causou quase 84.000 infecções e mais de 2.850 mortes, segundo dados oficiais chineses. Ele se espalhou para outros 56 países, onde foram relatados cerca de 5.000 casos e 70 mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Autoridades da OMS disseram que seria um “erro fatal” para qualquer país presumir que não será atingido pelo coronavírus, e os países ricos que poderiam pensar que estavam mais seguros deveriam esperar surpresas.

Na Europa, o número de pessoas que deram positivo para a doença na Itália aumentou para 655.

A Alemanha, que alertou para uma epidemia iminente, tem cerca de 48 casos, a França em torno de 38 e a Espanha 25.

Enquanto isso, a Grécia anunciou controles mais rigorosos nas fronteiras.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

Parceiros

alan correa criação de sites