Redes Sociais

Mundo

Coronavírus: 5 mortes e 28 infectados no Irã. Primeira morte na Itália. Casos na Coreia do Sul triplicam. OMS de olhos na África

Thaís Garcia

Publicado

em

Coronavírus: 5 mortes e 28 infectados no Irã. Primeira morte na Itália. Casos na Coreia do Sul triplicam. OMS de olhos na África 16
Imagem: Atta Kenare/AFP via Getty Images

A mídia iraniana relatou mais uma morte por Coronavírus. Isso eleva o total para 5 mortes até agora. Nas últimas 24 horas, houve 10 novos casos do vírus confirmados no Irã. Até o momento, foram confirmados 28 casos no país. A OMS mantém os olhos na África e na Itália.

No total, houve mais de 77.000 casos confirmados de coronavírus em todo o mundo, dos quais mais de 2.360 terminaram com a morte do paciente. A grande maioria desses casos até agora foi relatada na China, onde o surto tem suas raízes na cidade de Wuhan.

Mas o vírus não parou na fronteira chinesa, o Japão viu saltos recentes em casos próprios, 122 no total. E as autoridades de saúde estão observando os números aumentarem em países ainda mais distantes, como na Itália (62) e no Irã (28).

Na Itália, a primeira morte pelo vírus foi confirmada.

“Os sinais crescentes de transmissão fora da China mostram que a janela de oportunidade que temos para conter esse vírus está se estreitando”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, em entrevista coletiva no sábado.

De preocupação particular, ele disse, são “o número de casos sem vínculo epidemiológico claro, como histórico de viagens à China ou contato com um caso confirmado”.

Ele descreveu como especialmente preocupante a propagação da doença no Irã, onde as autoridades de saúde confirmaram pelo menos 28 casos.

Ele disse que a OMS enviou kits de teste ao Irã. E embora apenas 1 caso confirmado tenha sido relatado na África – especificamente no Egito -, Tedros alertou que, devido ao forte relacionamento comercial entre a China e alguns países do continente, as autoridades de saúde devem se preparar para sua chegada em breve.

“Nossa maior preocupação continua sendo o potencial do COVID-19 se espalhar em países com sistemas de saúde fracos”, afirmou ele.

“Sabemos um pouco mais sobre esse vírus e a doença que ele causa. Sabemos que mais de 80% dos pacientes têm doenças leves e se recuperam, mas os outros 20% dos pacientes têm doenças graves ou críticas, que variam de falta de ar, choque séptico e falência de múltiplos órgãos”, disse Tedros.

“Esses pacientes precisam de cuidados intensivos, usando equipamentos como máquinas de suporte respiratório que, como você sabe, são escassas em muitos países africanos”, completou Tedros.

Coreia do Sul

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia do Sul informou que os casos de coronavírus quase triplicam no sábado, chegando a 433 em menos de 24 horas. É o quarto dia consecutivo em que houve um grande aumento.

Muitos dos novos pacientes estavam em Daegu, a quarta maior cidade da Coreia do Sul, onde dezenas de pessoas ligadas a uma igreja apresentaram sintomas de doenças respiratórias. A igreja, que tem cerca de 150.000 adeptos, e disse que compartilhou com as autoridades os nomes dos membros que podem ter sido expostos ao vírus, e está incentivando-os a entrar em quarentena.

Enquanto isso, na cidade vizinha de Gumi, a Samsung disse que está fechando temporariamente uma fábrica de dispositivos móveis, depois de confirmar um caso de coronavírus nas instalações.

“A empresa colocou colegas que entraram em contato com o funcionário infectado em quarentena e tomou medidas para testá-lo quanto a possíveis infecções”, afirmou a empresa em comunicado divulgado no sábado.

Dois pacientes na Coreia do Sul morreram da doença COVID-19, enquanto pelo menos 18 se recuperaram e foram liberados dos cuidados. Milhares ainda estão passando por testes.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

alan correa criação de sites