Redes Sociais

Coreia do Sul

Drama em hospital de Seul, na Coreia do Sul: aborto é feito em mulher errada

Thaís Garcia

Publicado

em

Drama em hospital de Seul, na Coreia do Sul: aborto é feito em mulher errada 19
Imagem: Carlos Barria/Reuters

A polícia da capital sul-coreana Seul iniciou uma investigação sobre um médico e uma enfermeira que fizeram um aborto no mês passado, em uma mulher que não havia solicitado. Na verdade, ela foi ao hospital apenas para receber uma injeção de vitaminas, mas foi confundida com outra paciente.

Em 7 de agosto, a gestante de seis semanas, de origem vietnamita, em vez de receber a injeção de vitaminas, recebeu uma anestesia epidural da enfermeira, que não havia verificado a identidade da mulher. A epidural é um modo que anestesia o corpo abaixo do nível do umbigo. É um dos tipos mais comuns de alívio da dor usado durante o trabalho de parto e o nascimento.

Em seguida, o médico iniciou o aborto. Ele também se esqueceu de verificar a identidade da mulher grávida. A vítima foi submetida ao “tratamento”, porque achava que deveria ser assim o modo de receber as vitaminas.

No entanto, no dia seguinte, ela voltou ao hospital porque teve uma hemorragia. Então, o ginecologista contou a ela sobre o aborto.

Investigação
A polícia sul-coreana está investigando o triste caso. O médico e a enfermeira são acusados de negligência, por não cumprirem seu dever profissional de verificar a identidade do paciente, antes de realizar um procedimento médico. Tanto o médico quanto a enfermeira admitiram seu erro, disse um porta-voz da polícia à CNN.

Legalização do aborto
Em abril deste ano, a Coreia do Sul iniciou a legalização do aborto, com a decisão judicial de que o governo deveria revisar as leis existentes, antes de 31 de dezembro de 2020.

No entanto, sob a legislação atual, cometer abortos ainda é ilegal e formalmente punível. Exceções são permitidas nos casos em que os pais têm doenças hereditárias, ou a gravidez é resultado de estupro ou incesto, ou o feto ameaça a vida da mãe.

No ano passado, cerca de 50.000 abortos foram realizados no país asiático. No entanto, esses são apenas os casos registrados, o número real pode ser maior.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites