Redes Sociais

Itália

Conselho italiano pede a proibição de remédios de intervenções hormonais para menores com disforia sexual

Thaís Garcia

Publicado

em

Conselho italiano pede a proibição de remédios de intervenções hormonais para menores com disforia sexual 16
Foto: Pixabay

O conselho regional de Friuli Venezia Giulia, no norte da Itália, aprovou uma moção que pede ao governo nacional que proíba o uso de remédios controlados por hormônios, usados ​​no chamado “tratamento de reatribuição de sexo” para crianças e adolescentes com distúrbios de identidade sexual.

Essas drogas impedem o desenvolvimento sexual normal em adolescentes.

A moção do conselho afirma claramente que “a puberdade não é uma doença” e, portanto, não deve ser evitada com medicamentos ou cirurgias que possam produzir efeitos irreversíveis. A proposta também menciona os efeitos negativos a longo prazo de drogas contendo a triptorelina química, que altera os hormônios.

A moção diz: “Não há evidência, de fato, da efetiva restauração completa da fertilidade no caso de retirada do tratamento”, e cita dados do Colégio Americano de Pediatras, que afirma que até 98% dos menores superam sua disforia de identidade sexual ou a sensação de que o sexo biológico não combina com a identidade sexual de alguém.

Mauro Bordin, membro do conselho do Partido da Liga Nacional populista, disse aos repórteres do VoceControCorrente: “Expressamos oposição ao uso desta droga”, acrescentando que não houve estudos clínicos suficientes, “especialmente em relação aos possíveis efeitos negativos a longo prazo”. O bloqueio farmacológico da puberdade poderia causar um desalinhamento no desenvolvimento físico e cognitivo [adolescente].”

Bordin argumentou que a moção não é uma “posição ideológica, mas uma proposta de senso comum no interesse exclusivo da saúde das crianças em toda a Itália”.

Cientistas e médicos de todo o mundo também alertaram contra intervenções médicas de indivíduos que sofrem de disforia da identidade sexual.

Em 2017, a Dra. Michelle Cretella, do Colégio Americano de Pediatras, declarou: “O transsexualismo é um distúrbio psicológico, não biológico”, acrescentando: “Consequentemente, esperamos que o transexualismo e seus procedimentos médicos associados aumentem à medida que a sociedade promove cada vez mais esse estilo de vida.

Cretella também criticou astutamente a recente decisão da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos de usar o termo “cirurgia de confirmação de sexo”.

“A engenharia linguística precede e acompanha a engenharia social”, disse Cretella.

“Os médicos ativistas transexuais percebem que a cirurgia de redesignação sexual é um equívoco. Em outras palavras, a cirurgia não pode mudar o sexo de uma pessoa. Ao renomear a cirurgia de redesignação de sexo confirmando o sexo, eles dão a impressão de que eles estão afirmando um traço inato e mais adiante o mito transexual imutável inato ”, acrescentou.

O Colégio Americano de Pediatras (ACP) também divulgou comunicados alertando o cirurgião geral dos EUA de que hormônios e cirurgia prejudicam crianças com disforia de sexo. O ACP referencia os avisos emitidos pelo Royal College of General Practitioners do Reino Unido, que observa que os efeitos colaterais a longo prazo desses procedimentos não foram submetidos a pesquisa médica suficiente.

Com informações: Voice of Europe


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites