Redes Sociais

China

Médico chinês, que denunciou o coronavírus e foi preso, está agora infectado

Thaís Garcia

Publicado

em

Li Wenliang (34) é um dos oito denunciantes que alertaram sobre o novo vírus corona em dezembro. Ele foi acusado pelo governo comunista chinês de “espalhar boatos” e “comportamento ilegal” e teve que assinar um documento de silêncio. Momentos depois, ele acabou infectado pelo vírus que o preocupou, informou o New York Times.

Sete pacientes no hospital onde Wenliang trabalhava como oftalmologista foram atingidos por uma doença até então misteriosa. Em 30 de dezembro de 2019, o médico alertou seus colegas estudantes de medicina em um grupo de bate-papo.

“Quarentena no departamento de emergência”, escreveu sobre alguns pacientes.

“Assustador, a SARS voltou?”, outro respondeu.

A inspeção sanitária chinesa em Wuhan imediatamente foi atrás do médico no meio da noite e o chamou para pedir as informações que ele havia compartilhado. Três dias depois, ele teve que assinar uma declaração da polícia sobre seu “comportamento ilegal”. Ele e mais outros sete foram presos em 31 de dezembro por “espalhar boatos”, depois que as notícias preocupantes de Wenliang também foram divulgadas fora do grupo de bate-papo.

A Comissão de Saúde de Wuhan foi obrigada a anunciar, no mesmo dia, que 27 pessoas foram infectadas com uma forma atípica de pneumonia. Mas, disseram que a doença era “evitável e controlável”.

Li Wenliang foi diagnosticado com o novo vírus corona e está internado recebendo cuidados médicos. Sua esposa, que está grávida, e seu filho pequeno aguardam separados até que ele se recupere.

Sigilo

Mais tarde, foi descoberto que não se tratava do SARS, o vírus que matou quase 800 pacientes em 2003, mas o, agora conhecido, novo coronavírus 2019-nCoV. Até o fechamento da matéria, 427 mortes e mais de 20.670 infecções em todo o mundo foram confirmadas.

A China é criticada porque as autoridades não agiram de forma decisiva imediatamente, de modo que o vírus rapidamente se espalhou.

“Em momentos críticos, o governo optou primeiro pelo sigilo e pela ordem, só depois abordou abertamente a crescente crise, a fim de evitar preocupações do público e constrangimentos políticos”, escreveu o The New York Times.

Inação

Segundo o jornal, as autoridades perderam um tempo valioso nas primeiras 7 semanas, entre o momento em que o coronavírus eclodiu no início de dezembro e a drástica decisão de 22 de janeiro de colocar em quarentena a metrópole de Wuhan.

No dia do Ano Novo, eles fecharam rapidamente o mercado de peixe de Huanan, onde alguns acreditam ter sido o local onde o vírus “provavelmente” teve sua origem.

Médicos e outros denunciantes foram inicialmente silenciados; e os 11 milhões de habitantes receberam apenas notícias tranquilizadoras e não foram instados a se proteger contra o vírus.

Ao não agir agressivamente para alertar médicos e outros profissionais de saúde, o governo chinês perdeu uma de suas melhores chances de impedir que a doença se tornasse uma epidemia.

“Esta foi uma questão de inação. Não houve ação em Wuhan do departamento de saúde local para alertar as pessoas sobre a ameaça”, disse Yanzhong Huang, membro sênior de saúde global do Conselho de Relações Exteriores que estuda a China.

O primeiro caso, cujos detalhes são limitados e a data específica desconhecida, foi no início de dezembro. Quando as autoridades entraram em ação em 20 de janeiro, a doença já havia se transformado em uma ameaça global.

A China parece ter optado por colocar sua reputação e interesses políticos na frente da saúde global.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites