Redes Sociais

China

China se orgulha de transplantes de pulmão de pacientes do vírus chinês, em meio a evidências de que órgãos são coletados de minorias religiosas e presos políticos

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Reprodução/Colagem

A mídia estatal chinesa recentemente se gabou de uma operação “bem-sucedida” de transplante duplo de pulmão para tratar o coronavírus chinês, em meio a crescentes evidências de que o Partido Comunista Chinês (PCCh) está colhendo os órgãos de minorias religiosas e presos políticos para vender no mercado negro, informou o The Epoch Times na quarta-feira (25),

Em fevereiro, o Global Times, órgão de propaganda estatal, informou que uma equipe médica chinesa “realizou com sucesso o primeiro transplante de pulmão duplo do mundo” em um paciente que sofria do coronavírus chinês, descrevendo-o como um movimento de “grande importância na redução de casos críticos”.

A imagem mostra a equipe de médicos após realizar “com sucesso” o primeiro transplante duplo de pulmão em paciente com coronavírus chinês.

“Os pulmões transplantados foram doados por um paciente não local, após morte cerebral e transportados para Wuxi por ferrovia de alta velocidade em sete horas”, observa o artigo.

Conforme informado pelo jornal chinês americano The Epoch Times, o fato de doadores com morte cerebral com todas as características correspondentes, incluindo sangue e tipo de tecido, estarem disponíveis pouco antes da cirurgia parece estranhamente conveniente .

A maioria dos transplantes de órgãos da China vem da colheita de “doadores” não-consensuais que pertencem a minorias religiosas perseguidas e presos políticos.

O processo de um “suprimento infinito de órgãos” é detalhado pela instituição de caridade EndTransplantAbuse.org:

Em países com recursos avançados de assistência à saúde e sistemas de doação de órgãos bem organizados, os pacientes geralmente esperam muitos meses ou até anos para que um órgão doador se torne disponível. No entanto, na China, onde a doação de órgãos é culturalmente um tabu e ainda não existe um sistema eficaz de doação de órgãos, os pacientes podem encontrar órgãos correspondentes sempre que necessário, sugerindo que há um grande número de fontes de órgãos prontamente disponíveis aguardando a correspondência dos pacientes.

Em novembro de 2013, um artigo publicado na Phoenix Weekly, afiliada ao estado chinês, destacou o crescimento do tráfico de órgãos na China na última década e como os órgãos são fornecidos sob demanda e combinados rapidamente, sem tempo de espera. O artigo também afirmou que o número de transplantes realizados na China excedeu o número nos EUA.

Segundo o Breibart News, desde 2018, um tribunal independente chamado Tribunal da China realiza audiências probatórias sobre a prática. O relatório final foi divulgado este mês. Constatou, entre outras coisas, que “a extração forçada de órgãos ocorreu em vários lugares na China e, em várias ocasiões, por um período de pelo menos 20 anos e continua até hoje”.

O artigo diz que na prática de longo prazo na China da extração forçada de órgãos, foram de fato os praticantes de uma minoria religiosa chamada Falun Gong que foram usados ​​como fonte – provavelmente a principal fonte – de órgãos para extração forçada de órgãos.

A matéria também explicou como os programas de transplante da China se comparam ao resto do mundo:

Mesmo em países com programas de transplante estabelecidos e bem divulgados há muito tempo, em termos gerais, o tempo de espera para órgãos pode ser de meses ou anos. Por exemplo, o tempo médio de espera para um transplante de fígado no Reino Unido é de 135 dias para adultos. Para corações, a espera é descrita como meses ou anos e, para os pulmões, a espera é ainda mais longa.

Este mês, um pesquisador de doutorado forneceu ao site Breitbart News o testemunho de um sobrevivente do campo de trabalho forçado chinês de que a China provavelmente estava extraindo os órgãos de presos políticos para ajudar a suprir pacientes com insuficiência pulmonar em meio à epidemia chinesa do vírus chinês.

“As autoridades diriam que [os pulmões usados ​​para os transplantes] foram obviamente doados, mas pode-se levantar objeções razoáveis ​​de que isso seja menos plausível”, explicou o pesquisador Matthew Robertson, da Fundação Vítimas do Comunismo (Victims of Communism).

“Os governos mundiais não desafiaram publicamente a China quanto à fonte de seus órgãos, e as organizações internacionais de medicina e direitos humanos também falharam em levantar preocupações da comunidade internacional quanto à escala do sistema de transplantes da China e a verdadeira fonte de órgãos”, acrescentou Mathew Robertson.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites