Redes Sociais

Mundo

Chefe da ONU renuncia após ser acusado de má conduta sexual e abuso de autoridade

Thaís Garcia

Publicado

em

Chefe da ONU renuncia após ser acusado de má conduta sexual e abuso de autoridade 21
Imagem: unrwa

Pierre Krahenbuhl, chefe das Nações Unidas da Agência para os Refugiados da Palestina (UNRWA) , renunciou imediatamente após investigações confirmarem acusações contra ele de má conduta sexual, discriminação e abuso de autoridade. Segundo um relatório ético interno, o alto comissário mostrou má administração e abuso de autoridade nos níveis mais altos da agência da ONU.

Os resultados preliminares de uma revisão de supervisão interna liberaram o chefe da agência de refugiados palestinos da ONU de fraude e uso indevido dos fundos da agência UNRWA, mas não de outras questões administrativas, informou a ONU em 6 de novembro.

“Pierre Krahenbuhl renunciou logo após as conclusões serem divulgadas, informando o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, que sua decisão seria efetiva imediatamente”, disse o porta-voz de Guterres, Stephane Dujarric, em um comunicado.

Guterres havia colocado Krahenbuhl em licença administrativa, enquanto a investigação das questões ocorria “para que uma determinação final pudesse ser feita e qualquer ação apropriada pudesse ser tomada”, disse o órgão internacional ao anunciar as conclusões da investigação.

Christian Saunders, a quem Guterres nomeou para liderar a agência em agosto enquanto a investigação acontecia, continuará a liderar a Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA) como sua principal autoridade.

Saunders implementará um plano de gerenciamento que a ONU disse que ajudará a fortalecer a UNRWA “particularmente nas áreas de supervisão e prestação de contas”.

Na época em que ele nomeou o funcionário da ONU como líder da agência, Guterres instou os Estados membros e outros colaboradores a “continuarem apoiando o trabalho crucial realizado pela Agência”.

O apelo ocorreu depois que a Holanda e a Suíça suspenderam as contribuições após uma revisão ética interna que encontrou má conduta dentro da agência, mais seriamente dentro da equipe sênior da agência, incluindo seu comissário geral.

As conclusões do relatório no final de julho sugerem que o círculo interno da UNRWA – incluindo Krahenbuhl, a vice-comissária-geral Sandra Mitchell que deixou seu cargo no final de julho, a chefe de gabinete Hakam Shahwan que partiu no início de julho e a conselheira sênior da comissária-geral Maria Mohammedi – seja removido da agência.

O relatório afirma que “se envolveram em má conduta, nepotismo, retaliação” e “outros abusos de autoridade”.

Investigação
As alegações no relatório confidencial do departamento de ética da agência foram apuradas por investigadores da ONU. A UNRWA disse que cooperou totalmente com a investigação.

A AFP obteve uma cópia do relatório descrevendo “alegações confiáveis e confirmadas de abuso ético grave, incluindo o envolvimento do alto funcionário da UNRWA, o comissário-geral Pierre Krahenbuhl”.

O relatório dizia que as alegações à gerência sênior incluiam “má conduta sexual, nepotismo, retribuição, discriminação e outro abuso de autoridade, para ganho pessoal, para suprimir opiniões divergentes legítimas e, de outra forma, suprimir e alcançar seus objetivos pessoais”.

Segundo o relatório, o próprio Krahenbuhl teve um relacionamento com uma colega que foi nomeada em 2015, em um cargo recém-criado como consultora sênior do Comissário Geral, após um processo “extremamente rápido”. Isso permitiu que ela se juntasse a ele em voos de classe executiva ao redor do mundo.

A UNRWA disse à AFP que “ela é provavelmente uma das agências da ONU mais investigadas, tendo em vista a natureza do conflito e o ambiente complexo e politizado em que atua”.

O relatório foi enviado ao Secretário-Geral das Nações Unidas em dezembro de 2018. Desde então, os investigadores da ONU visitaram os escritórios da UNRWA em Jerusalém e Amã e coletaram informações sobre as alegações, segundo fontes familiarizadas com o caso.

A agência fornece serviços médicos e de educação aos chamados “milhões de refugiados palestinos e seus descendentes” no Líbano, Jordânia, Síria e territórios palestinos. Cerca de 30.000 pessoas trabalham lá, principalmente palestinos.

O relatório mostrou um número pequeno, principalmente de líderes estrangeiros, que centralizam poder e influência e ignoram as regras da ONU.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais. Lutando pelos verdadeiros direitos humanos e pela Igreja Perseguida.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites