Redes Sociais

Mundo

Casos de antissemitismo aumentaram 19% em 2018 na Holanda

Thaís Garcia

Publicado

em

Reprodução

O número de incidentes antissemitas registrados na Holanda aumentou 19% no ano passado. Em 2018, 135 ocorrências foram registradas, 22 a mais do que no ano anterior. Além disso, foram relatados 95 casos de antissemitismo na Internet e mídias sociais, segundo dados do Centro de Informação e Documentação de Israel (CIDI).

Fundada em 1974, O CIDI é uma organização holandesa dedicada ao combate do antissemitismo no país.

Segundo o CIDI, o crescimento do antissemitismo aumentou em países como a Holanda, Reino Unido, França e Alemanha.
Os incidentes ocorrem com maior frequência na vizinhança imediata das pessoas. O antissemitismo na escola, no trabalho ou entre vizinhos aumentou 67%.

O CIDI, por exemplo, recebeu um relatório de um estudante judeu que ouviu comentários em sala de aula e em aplicativos de grupo, como: “Todos os judeus devem morrer” e “Voltar para a câmara de gás”.

Estas ocorrências na vizinhança imediata das pessoas, costumam ter um grande impacto e, portanto, são extremamente pungentes.

Ponta do iceberg
Os incidentes registrados são, segundo o CIDI, “muito provavelmente a ponta do iceberg antissemita na Holanda”. Pesquisas da Agência de Direitos Fundamentais da União Europeia, mostram que apenas um quarto dos judeus holandeses, vítimas de antissemitismo nos últimos cinco anos, reportaram a uma autoridade ou à polícia.

Alerta e plano de ação
O CIDI alerta a Holanda e pede um plano de ação claro do governo. Pois, a abordagem do antissemitismo não pode ser restrita à polícia e ao judiciário. O CIDI quer que os professores recebam apoio no combate aos preconceitos antissemitas e às teorias conspiratórias na sala de aula.

Além disso, o centro propõe que os programas de integração cívica dados aos novos cidadãos holandeses, principalmente vindos de países muçulmanos, devem dar ênfase ao antissemitismo e esclarecer que os direitos das minorias na Holanda são respeitados.

E por fim, para combater o antissemitismo nas ruas, nas escolas e na internet, o centro explica que é importante que as pessoas se manifestem contra isso. O antissemitismo é crime e assim deve ser tratado pela sociedade europeia.

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites