Redes Sociais

EUA

Casal de Nova York processa clínica de fertilidade porque seus gêmeos nascidos não eram seus

Thaís Garcia

Publicado

em

Casal de Nova York processa clínica de fertilidade porque seus gêmeos nascidos não eram seus 16
IStock

Um casal, originalmente asiático, de Nova York processou uma clínica de fertilidade porque seus gêmeos nascidos em março não eram seus. Um teste de DNA mostrou que os meninos brancos não são parentes entre si e, portanto, têm pais diferentes: dois casais que também estavam sendo tratados na mesma clínica. O casal teve que desistir dos bebês. Eles agora vivem com seus pais e mães biológicos.

De acordo com o casal, que se casou em 2012 e tentou sem sucesso nos anos seguintes ter filhos, eles gastaram quase 90 mil euros em tratamentos de fertilidade nos últimos anos. Em acusação dirigida ao CHA Fertility Center, em Los Angeles, eles disseram que passaram por vales profundos, desde que tiveram que desistir dos gêmeos.

“Era como se tivéssemos que dar nossos próprios filhos. O sentimento de perda ainda é muito grande. E tudo por causa de um enorme erro daquela clínica”, cita o canal de notícias CNN.

O casal culpa a instituição por negligência grosseira, quebra de contrato e danos psicológicos.

“Queremos ser compensados ​​financeiramente pelo que passamos”, disse o casal à CNN.

Devido a rigorosas regras de privacidade, a clínica em questão ainda não deu uma explicação sobre a mudança marcante dos embriões. Eles se originaram fora do útero, por fertilização de óvulos com espermatozoides conhecida como fertilização in vitro (FIV). Posteriormente, o resultado da fertilização foi trocado. Neste caso, dois embriões foram aplicados à vítima: um de um casal e outro de outro casal. Os meninos recém-nascidos, portanto, têm pais diferentes.

Durante um ultrassom inicial, descobriu-se que havia dois meninos em sua barriga, enquanto os médicos da clínica disseram que haviam colocado uma menina e um menino.

Segundo a mulher, a gravidez que ela e o marido ansiavam era normal. Sua surpresa foi grande quando foi descoberto que os meninos gêmeos não tinham traços asiáticos. E o casal desconfiou se tudo estava mesmo realmente correto.

Ultrassom
Os documentos do tribunal mostram que após o primeiro ultrassom, imediatamente, a mãe pediu esclarecimentos à clínica. No entanto, ela foi “tranquilizada”, dizendo que o sexo das crianças ainda não era claramente visível nas fotos.

“Mas no final nossos medos se tornaram realidade. Porque com um segundo ultrassom, acabou confirmando que eram dois meninos”, disse o casal. Por um momento, o casal pensou que poderia ser um par de gêmeos idênticos. Mas a clínica não respondeu aos seus questionamentos.

Imediatamente após o nascimento, o material genético dos meninos foi comparado com o do casal em questão. Para seu terror, o exame de DNA confirmou o que já temiam – os meninos não eram seus filhos biológicos.

O casal agora quase desesperadamente se pergunta o que aconteceu com os dois embriões que emergiram de seus óvulos e espermatozoides.

“Eles ainda existem em algum lugar? Ou talvez tenham sido colocados em outra mulher e desde então nasceram? Há uma chance de termos filhos que, sem o conhecimento dela, já tenham sido criados por uma mãe diferente por muito tempo ”, disse a mulher.

Os dois meninos estão bem e vivem com seus pais biológicos. Os dois casais têm a custódia total de seus filhos, hoje, com 3 meses de idade. O casal que deu à luz não tem permissão para vê-los.

“A situação é dramática, porque eu os carreguei em minha barriga por 9 meses”, disse a mulher.

A impressionante troca de embriões abalou não só os EUA, como também a comunidade internacional. Não foi revelado quem são os pais de Nova York por questão de privacidade, a polícia informou apenas as iniciais de seus nomes.

Também ainda não foi determinado quando o caso será julgado. De acordo com a CNN, os advogados nos EUA estimam a chance dos pais receberem uma compensação substancial, como “muito grande”.

 


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

alan correa criação de sites