Redes Sociais

Canadá

Canadá: Pais abrem processo contra professora que ensinou que “meninas não são reais”

Danielly Jesus

Publicado

em

Canadá: Pais abrem processo contra professora que ensinou que "meninas não são reais" 20
Imagem: iStock

No Canadá, um casal que apresentou uma queixa aos Direitos Humanos contra uma escola em que sua filha de 6 anos estava sendo ensinada que “não existem meninos e meninas” entraram com uma ação contra o conselho da escola, o diretor e a professora, informou o Christian Post.

A professora, que deu uma aula de primeira série na Escola Pública Comunitária de Devonshire, em Ontário, Canadá, no ano passado, apresentou um vídeo no YouTube sobre os sexos chamado “Ele, Ela e Eles?!? – Sexo: Queer Kid Stuff # 2”.

“Fazia parte do plano de aula naquele dia”, disse Pamela Buffone, mãe da menina de 6 anos, ao The Post Millennial no início deste ano.

Buffone e seu marido entraram com uma queixa no Tribunal de Direitos Humanos de Ontário contra a escola, depois que a filha começou a se preocupar com a possibilidade de ela não ser mulher. após assistir ao vídeo.

Na semana passada, o Centro de Justiça para Liberdades Constitucionais, uma organização de advocacia especializada em direito constitucional canadense que representa os Buffones e sua filha, apresentou um pedido emendado, observando os direitos da criança à segurança da pessoa e à igualdade nas seções relevantes da Carta Canadense Direitos e Liberdades foram violados, informou a Radio Canada International na terça-feira.

“Ela era muito apaixonada por todos os tipos de tópicos de justiça social, a maioria dos quais nossa filha realmente gostava de aprender”, disse Buffone sobre sua filha, que agora está estudando em uma escola diferente, em entrevista à Radio Canada International.

A professora de sua turma da primeira série havia desenhado um “espectro dos sexos” no quadro e pedia às crianças que identificassem onde elas estavam inseridas no espectro. A filha de Buffone escolheu o extremo mais distante do espectro, designada “garota”. A denúncia de direitos humanos alega que a professora instruiu a turma que “as meninas não são reais e os meninos não são reais”, o que angustiou muito a filha.

“Aos 6 anos, ela estava descobrindo que os animais são divididos em meninos e meninas; quando conheceu um novo cachorro na rua, por exemplo, ela perguntava: ‘é um menino ou uma menina?’ Então, ela ficou muito confusa com o que a professora estava dizendo e estava lutando para entender o que isso significava para ela uma menina”, disse Buffone.

Em entrevista na quinta-feira, Buffone disse que inicialmente apresentou seu pedido por conta própria, mas com a assistência de um advogado conseguiu levar o caso adiante.

Ela acrescentou que espera que a ação legal que está tomando atualmente “faça com que as pessoas percebam que é preciso haver alguns limites em torno desse tipo de ativismo que entra nas escolas e é ensinado como uma verdade universal”.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

30 anos, Evangélica, Republicana, Escritora, Youtuber, Podcaster e colaboradora do Conexão Política.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites