Redes Sociais

Mundo

Aumenta a tensão no nordeste da Síria: Assad envia tropas para a área de fronteira para atacar os turcos

Thaís Garcia

Publicado

em

Aumenta a tensão no nordeste da Síria: Assad envia tropas para a área de fronteira para atacar os turcos 15
Imagem: Reprodução/Twitter

O regime sírio do presidente al-Assad enviou tropas para o nordeste do país para combater a ofensiva turca, informou a agência de notícias síria Sana. Assad declarou que a invasão é “uma agressão turca no território sírio”.

O exército turco continua avançando no nordeste da Síria. O presidente Trump voltou a pedir às tropas americanas que deixem a área por causa da crescente violência entre os turcos e os curdos.

“A situação corre o risco de se tornar insustentável”, disse o chefe do Pentágono, Mark Esper.

Negociações entre curdos e governo sírio
A agência de notícias Sana não divulga detalhes sobre a extensão da mobilização do exército sírio no nordeste do país. No passado, isso também aconteceu na área de fronteira para evitar uma ofensiva turca. Um representante curdo, que preferiu permanecer anônimo, confirmou hoje (13) que houve negociações com o governo sírio.

O exército turco continua avançando no norte da Síria. Enquanto isso, já penetrou de 30 a 35 quilômetros no país e ganhou o controle de uma importante rodovia, a M-4, que vai de oeste a leste e conecta diferentes cidades sob o controle curdo.

“Como resultado, várias áreas sob o controle dos curdos estão cercadas”, disse o Ministério da Defesa turco. A cidade de Tal Abyad também estaria sob o controle dos turcos.

A Turquia quer instalar a chamada “zona neutra” em sua fronteira sul. A intenção seria abrigar parte dos 3,6 milhões de refugiados sírios-árabes que estão na Turquia.

Feridos
Desde o início dos combates turcos no norte da Síria, cerca de 130.000 pessoas fugiram. Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, o número de civis mortos aumentou para pelo menos 52. Segundo Erdogan, 440 combatentes curdos foram mortos, 26 foram feridos e 24 foram capturados.

O Observatório relatou hoje (13) que pelo menos 26 pessoas foram mortas em um ataque aéreo perto de Ras al-Ayn, perto da fronteira com a Turquia.

O jornalista investigativo Fazel Hawramy disse, no Twitter, que um comboio de cidadãos sírios e jornalistas estrangeiros foi atingido neste ataque aéreo, perto da cidade de Ras al Ain. Também há a informação, ainda não oficial, de que jornalistas franceses e brasileiros estavam no comboio, 7 ficaram feridos e um morreu. A nacionalidade do morto e dos feridos não foi informada. O ataque aéreo é atribuído ao exército turco e/ou aos seus aliados sírios.

Trump retira tropas
O presidente Donald Trump ordenou que as tropas americanas no nordeste da Síria deixassem a área. O chefe do Pentágono, Mark Esper, confirmou isso. Segundo Esper, há cerca de mil soldados que deixaram a região por causa da crescente violência entre turcos e curdos.

O presidente dos EUA quer impedir que os militares fiquem isolados e fiquem presos entre as partes em guerra na área.

“A situação corre o risco de se tornar insustentável. Queremos garantir que os nossos soldados não sejam colocados em uma situação em que eles possam ser mortos ou feridos”, disse Esper hoje ao canal americano CBS.

Contra-ataque
Segundo o chefe de defesa, os EUA descobriram que o exército turco planeja penetrar mais ao sul e oeste da Síria, enquanto os curdos tentam fazer acordos com o regime sírio e com a Rússia para iniciar o contra-ataque.

“Após discussões com a equipe de segurança nacional, foi decidido retirar as tropas americanas do nordeste da Síria. Mas os soldados americanos não deixam toda a Síria. Os soldados americanos permanecem ativos em outras partes do país”, disse Esper.

Em relação à notícia de que centenas de apoiadores do EI podem ter escapado devido à situação caótica na área, Esper disse que os EUA notificaram a Turquia.

“É uma situação terrível, condenamos isso”, disse Esper.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

alan correa criação de sites