Redes Sociais

Argentina

Deputados argentinos abrem processo para investigar Cristina Kirchner em esquema de corrupção

Thaís Garcia

Publicado

em

Deputados argentinos abrem processo para investigar Cristina Kirchner em esquema de corrupção 21
Imagem: Colagem

A Câmara Federal de Buenos Aires confirmou a acusação e detenção preventiva de Cristina Kirchner por suborno e cartelização em obras públicas, informou o jornal Clarín.

Cristina Kirchner endossou a cartelização de obras públicas e o pagamento de subornos em relação a ela, conforme confirmado pela Sala I da Câmara. Seus juízes apoiaram a decisão do juiz Claudio Bonadio, que havia processado a vice-presidente eleita como chefe de uma associação ilegal dedicada à arrecadação de fundos ilegais, neste caso específico de empresários ligados a obras públicas.

A Câmara também confirmou as acusações sobre vários ex-funcionários do Ministério Federal de Planejamento e empresários nucleados para a Câmara da Construção.

Quando assumir a vice-presidência, em 10 de dezembro, Cristina Kirchner terá 10 processos em casos de corrupção e pelo menos 5 ordens pré-julgamento confirmadas pela Câmara.

Embora o arquivo principal do caso, que começou com os extensos relatos do ex-motorista Oscar Centeno, já tenha sido enviado para julgamento oral, a Câmara corroborou a intervenção dos funcionários encarregados nesse arquivo relacionado, em relação a “um acordo anterior já a divisão de tarefas, com um claro domínio funcional do fato”, para uma distribuição de obras públicas.

A Câmara também confirmou a acusação de Julio De Vido e José López, entre outros ex-funcionários.

Mas, por sua vez, a Câmara limitou o escopo das construtoras envolvidas no processo, porque considerou apenas as acusações contra os empresários de uma lista aportada pelo financista Ernesto Clarens. O Juíz Bonadio havia incluído no processo mais empresas do que as da lista.

Em relação à manobra investigada, é apontado que o “mecanismo implementado para alcançar a distribuição deliberada de obras públicas tinha como objetivo final nutrir a associação ilícita comandada e estruturada pelos citados acima”, ou seja, Cristina Kirchner e ex-funcionários do Ministério Federal de Planejamento.

“Também vale lembrar que cada pagamento chegou aos escritórios das diferentes empresas envolvidas para concluir, após uma breve parada nos escritórios da Clarens e nos escritórios dos funcionários, em dois lugares muito sugestivos: a Propriedade Presidencial de Olivos ou o departamento localizado nas ruas Uruguai e Juncal desta cidade, onde ex-presidentes presidenciais foram domiciliados durante todo o período sob investigação”, diz a resolução.

Portanto, consideraram que os fatos incluídos neste arquivo “estão, precisamente, no mesmo padrão descrito em pronunciamentos anteriores referentes à estrutura de coleta estabelecida nos mais altos níveis da Administração Pública Nacional”.

A acusação
Ao processar a atual senadora, Bonadio salientou que era antes “um mecanismo de corrupção que, em nível nacional, foi instalado desde o início da presidência de Nestor Carlos Kirchner, permanecendo entrincheirado em nossa República Argentina, sem solução de continuidade por mais de doze anos”.

Portanto, o juíz decidiu estender a acusação contra o ex-presidente e o embargo, elevando-o a 11 milhões de pesos. Cristina já acumula embargos por mais de 25 milhões de pesos na Justiça, somando todas as causas em que é processada.

Este arquivo investigou a concessão de contratos de obras públicas civis de centenas de empresários. Argumentou-se que, na área do Ministério Federal de Planejamento, sob as instruções do presidente Néstor Kirchner e, em seguida, mantida a tempo pela presidente Cristina Fernández, foi organizado um esquema de coleta ilegal de dinheiro, através do qual a adjudicação foi realizada de concursos para obras públicas civis.

Observou-se que as empresas que se beneficiaram dessa cessão, como contrapartida, “tiveram que entregar uma quantia em dinheiro que entrou nos cofres da associação”.

Consequentemente, mais de uma centena de empresários que “participaram deste sistema, bem como seus gerentes e acionistas, foram processados junto com as pessoas que compareceram para fazer pagamentos por eles” a ex-funcionários da Kirchner.

Mais uma vez, o juíz Bonadio se referiu às entregas dos fundos ilegais, apontando que eles eram feitos “semanalmente; no início duas vezes e, em uma ocasião, sendo que o valor total entregue era superior a 30 milhões de dólares”.

Entre os empresários indiciados estão os detidos Gerardo Ferreyra, Lázaro Báez, Cristóbal López e Fabian De Sousa. Sem ditar a prisão preventiva, eles são; Osvaldo Acosta, Carlos Wagner, Aldo Benito Roggio, Hugo Eurnekian, Héctor Javier Sánchez Caballero, Angelo Calcaterra, Juan Carlos De Goycoechea e Juan Chediack. O filho de Cristóbal López e o irmão de Fabián, Osvaldo De Sousa – irmão de Fabián, também foram processados.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais. Lutando pelos verdadeiros direitos humanos e pela Igreja Perseguida.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites