Redes Sociais

China

App chinês ‘TikTok’, popular entre adolescentes, levanta preocupações de segurança nacional nos EUA

Thaís Garcia

Publicado

em

App chinês 'TikTok', popular entre adolescentes, levanta preocupações de segurança nacional nos EUA 21
Imagem: Colagem

O aplicativo de compartilhamento de vídeo de propriedade chinesa TikTok, muito popular entre os adolescentes nos Estados Unidos, está enfrentando uma revisão de segurança nacional após a aquisição de US $ 1 bilhão do aplicativo de mídia social dos EUA, oMusical.ly, informou o The Epoch Times.

Em uma carta recente aos legisladores dos EUA, a empresa insistiu que não é controlada pelo regime comunista chinês, mas especialistas e políticos estão se tornando cada vez mais cautelosos devido a preocupações crescentes.

O aplicativo, adquirido pela ByteDance Technology Co., com sede em Pequim, por meio de uma aquisição em 2017, está sendo investigado pelo Comitê de Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos (CFIUS), que analisa acordos de adquirentes estrangeiros quanto a possíveis riscos à segurança nacional.

Em uma carta aos legisladores em uma audiência de uma subcomissão do Comitê Judiciário do Senado, presidida pelo senador republicano Josh Hawley, a TikTok informou que contratou uma empresa de auditoria, com sede nos EUA, para analisar as práticas de segurança de dados do aplicativo.

Em 5 de novembro, Hawley observou que tudo o que seria necessário seria “uma batida na porta da empresa-mãe sediada na China por um funcionário do Partido Comunista” para que os dados fossem enviados ao Partido Comunista Chinês (PCC). Ele solicitou aos executivos da TikTok que testemunhassem perante a comissão, chamando a empresa de ameaça à segurança nacional. No entato, ninguém do TikTok compareceu.

Especialistas em inteligência cibernética, tecnologia, privacidade digital e política comercial disseram ao The Epoch Times que os Estados Unidos estão certos em soar o alarme sobre o que eles percebem como ameaças genuínas à segurança cibernética dos EUA e que têm uma desconfiança garantida das tecnologias chinesas emergentes.

Preocupações de censura, vigilância e sobre o TikTok extrair dados de cidadãos americanos e enviá-lo de volta à China também foram levantadas.

“Devemos esperar que os esforços de vigilância externa da China usem plataformas como o TikTok, porque são mais modernos e atraem uma multidão mais jovem e facilmente influenciável”, afirmou Charity Wright, consultora de inteligência contra ameaças cibernéticas da IntSights, com 15 anos de experiência no Exército dos EUA e no Exército.

“A maioria dos americanos não sabia até esta semana que o TikTok era de propriedade de uma empresa chinesa. Acho que é muito importante entender a cultura e o objetivo subjacente aos objetivos da China. A China quer ser a superpotência do mundo e promover o PCC [Partido Comunista Chinês] no topo. No momento, eles têm uma capacidade muito perigosa de vigiar e censurar”, acrescentou Wright.

Segundo Wright, não deve ser menosprezado que o PCC tem representantes em quase todas as grandes empresas da China, e todos eles têm o mesmo objetivo em cumprir as metas do Estado Comunista.

De acordo com a empresa de pesquisa Sensor Tower, nos últimos 12 meses, o TikTok foi baixado mais de 750 milhões de vezes, isso é mais do que empresas como Facebook, Youtube e Snapchat. No primeiro trimestre deste ano, o TikTok foi o aplicativo mais baixado em todo o mundo na App Store.

O aplicativo, que permite aos usuários criar e compartilhar vídeos curtos, aumentou em popularidade entre os adolescentes norte-americanos. Cerca de 60% dos 26,5 milhões de usuários ativos mensais da TikTok nos Estados Unidos têm entre 16 e 24 anos, informou a empresa este ano.

Roubo de propriedade intelectual

As preocupações com o TikTok ocorrem em meio a uma ansiedade mais ampla sobre transferências forçadas de tecnologia de empresas americanas para autoridades chinesas e roubo de propriedade intelectual. A China construiu sua tecnologia em grande parte com o que é roubado do Ocidente, com os custos de roubo de propriedade intelectual em cerca de US $ 600 bilhões anualmente, enquanto ameaça inextricavelmente a segurança nacional e econômica dos EUA.

Neil Campling, diretor de pesquisa de tecnologia, mídia e telecomunicações da Mirabaud Securities, disse ao The Epoch Times que é difícil identificar explicitamente por que os Estados Unidos estão investigando o ByteDance apenas agora, dois anos após a aquisição.

“Talvez esteja relacionado à situação atual em Hong Kong e a algumas sugestões de que o conteúdo está sendo filtrado, o que contraria o que as redes digitais devem oferecer. No entanto, alguns podem argumentar que talvez seja porque a China tem uma empresa digital que agora está crescendo significativamente no Ocidente e nos EUA. Enquanto Alibaba e Tencent se tornaram gigantes de escala de bilhões de dólares, seu crescimento e plataforma sempre foram ancorados na China e na Ásia”, disse Campling por e-mail.

Diferentemente do Brasil, outras empresas chinesas, como a Huawei, a principal empresa de equipamentos de telecomunicações no mundo, e a Hikvision, outra empresa de tecnologia de vigilância, estão sujeitas a restrições comerciais nos EUA. E segundo Campling, agora, a ByteDance está sendo examinada.

Espionagem chinesa
Segundo um relatório do Escritório de Comércio e Política de Manufatura da Casa Branca, intitulado “Como a agressão econômica da China ameaça as tecnologias e a propriedade intelectual dos Estados Unidos e do mundo”, a espionagem econômica da China, que é o criminoso mais ativo, continua a crescer.

O relatório concentra-se em como a China está adquirindo tecnologias importantes e propriedade intelectual de outros países, como no Brasil e em Portugal, e capturando indústrias emergentes de alta tecnologia que impulsionarão o crescimento econômico futuro e o avanço da indústria de defesa.

Quando a TikTok adquiriu a Musical.ly, há dois anos, ela não buscou autorização da CFIUS (Comitê de Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos), o que dá aos EUA a possibilidade de investigá-la agora, disse o comitê.

Em uma carta de 9 de outubro ao secretário do Tesouro americano Steven Mnuchin, o senador republicano Marco Rubio instou o comitê de segurança nacional a revisar a aquisição devido a preocupações de que aplicativos de propriedade chinesa como o TikTok “estão sendo cada vez mais usados para censurar conteúdo e silenciar uma discussão aberta sobre tópicos considerados sensíveis pelo governo chinês e pelo Partido Comunista”.

Segundo o The Washington Post, ex-funcionários da TikTok nos EUA disseram que a ByteDance tinha a palavra final para decidir qual conteúdo seria exibido no aplicativo. Na carta da TikTok aos legisladores, a gerente geral dos EUA da TikTok, Vanessa Pappas, disse que a empresa armazena todos os dados de usuários dos EUA nos Estados Unidos, com redundância de backup em Cingapura, de acordo com a Reuters.

Os legisladores observaram que a ByteDance é regido pelas leis chinesas, enquanto a TikTok alega que o regime chinês não tem jurisdição sobre o conteúdo do aplicativo.

Comércio e tecnologia mundial nas mãos de comunistas

Na última década, a China investiu uma enorme quantidade de recursos em inteligência artificial e robótica cognitiva. Pequim também está em vantagem, determinando que todas as empresas de TI que operam na China armazenem seus dados em data centers chineses, de acordo com John Boyd, fundador da The Boyd Co., uma das principais autoridades em questões relacionadas à terceirização e de Clima de negócios da China.

Boyd disse ao The Epoch Times que a TikTok é um alvo fácil para os legisladores dos EUA e também um “potencial acordo de negociação com Pequim”, enquanto o governo Trump continua suas negociações comerciais com a China.

“Vemos a controvérsia sobre a TikTok e a segurança de dados como uma questão de desenvolvimento econômico para republicanos e democratas. “Por quê? Enquanto a TikTok sustenta que todos os seus datacenters estão fora da China, trouxe o setor de datacenters para a discussão do ‘reshoring’ [prática de trazer a fabricação e os serviços de volta para os EUA do exterior] e criou oportunidades para os legisladores criarem novos incentivos e regulamentações para promover a remodelação das operações de datacenter nos EUA”, disse John Boyd.

Ray Walsh, especialista em privacidade digital do ProPrivacy.com, disse ao The Epoch Times que o governo Trump deseja demonstrar que está restringindo o que é percebido como a vantagem da China em tecnologias emergentes e mostrar que está assumindo uma forte posição contra a influência da China nos Estados Unidos.

“A decisão dos EUA de investigar as práticas de negócios da TikTok é mais um sinal da desconfiança dos EUA em relação às tecnologias chinesas emergentes”, disse Qalsh.

Em outubro, o Governo Trump colocou 28 agências e empresas de segurança pública chinesas – incluindo a Hikvision, a Huawei e seis outras empresas – em uma lista negra devido a preocupações relacionadas a violações dos direitos humanos.

Um oficial de defesa dos EUA alertou recentemente em um comitê de Washington que a China está dando um passo em várias tecnologias emergentes, como hipersônica, ciências quânticas, autonomia, inteligência artificial, 5G e engenharia genética. E é preocupante que todo esse avanço esteja sendo implementado no comércio e na tecnologia de muitos países ocidentais.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites