Redes Sociais

Mundo

750 pessoas foram massacradas em igreja na Etiópia, segundo relatos de testemunhas

Thaís Garcia

Publicado

em

Vários meios de comunicação estão relatando o massacre de 750 pessoas na Igreja ‘Maryam Tsiyon’, em Aksum, na Etiópia.

A igreja foi atacada por tropas do governo etíope e pela milícia Amhara, de acordo com várias testemunhas oculares. A ONG Europe External Program with Africa, com sede na Bélgica, revelou o ataque à Igreja de Nossa Senhora Maria de Sião.

Aksum está localizada na região administrativa de Tigré e tem enfrentado combates pesados ​​desde 4 de novembro, quando o partido político governante da região, conhecido como Frente de Libertação do Povo do Tigré (TPLF), tomou a base do exército na capital regional Mekelle.

Tigré faz fronteira com a Eritreia ao norte, o Sudão a oeste, a região de Amhara ao sul e a região de Afar a leste e sudeste.

Essa revolta teria sido interrompida depois que o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, ordenou uma operação militar. Em 28 de novembro, Ahmed anunciou o fim das operações militares e que as tropas federais controlavam Mekelle, de acordo com a Reuters. Mas a TPLF continua lutando em uma guerra de guerrilha.

O site britânico Church Times informou que relatos do massacre vieram de testemunhas que fugiram de Aksum e caminharam mais de 200 Km até Mekelle.

Segundo o site britânico, pelo menos 1.000 pessoas estavam escondidas na igreja quando o ataque começou. Centenas foram levadas e fuziladas na praça em frente à igreja, de acordo com o Christianheadlines.com.

O site Eritrea Hub postou um vídeo das consequências do massacre que mostra moradores identificando um dos corpos das 750 pessoas que foram mortas no ataque.

O governo britânico se manifestou como “chocado e entristecido” com os novos relatórios de massacres de etíopes em Tigré.

O Vice-Presidente do Grupo Parlamentar de Todos os Partidos para a Eritreia no Parlamento do Reino Unido, Ahmad de Wimbledon disse:

“Estamos chocados e tristes com novos relatos de Tigré sobre massacres de civis, violência sexual e ataques a instalações humanitárias e locais de culto. Uma contínua falta de acesso à região de Tigré para agências humanitárias significa que continua difícil corroborar totalmente esses relatórios, mas continuaremos tentando fazê-lo. No entanto, deixamos claras nossas preocupações com os ministros etíopes e enfatizamos a necessidade primordial de proteger os civis e cumprir o direito internacional e o direito internacional dos direitos humanos. Continuamos a pedir investigações independentes e internacionais sobre as alegações de abusos e violações dos direitos humanos, e que os autores desses incidentes comprovados sejam responsabilizados, sejam eles quem forem. O Reino Unido continua a clamar por acesso humanitário sustentado, gratuito e irrestrito em Tigré.”

 

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.