Redes Sociais

Holanda

Imigrante da Eritreia que estuprou e matou idosa entra em tribunal sorrindo na Holanda

Thaís Garcia

Publicado

em

Na Páscoa deste ano, residentes do bairro de Buitenveldert, em Amsterdã, ouviram gritos assustadores vindos da rua. Alguns moradores tiveram a coragem de sair e procurar pela vítima que pedia socorro. Eles testemunharam um homem jovem em fúria espancando Rinia Chitanie, uma senhora de 68 anos, que já estava completamente ensanguentada.

O criminoso era um imigrante de 20 anos da Eritreia que confessou ter atacado a mulher idosa.

Rinia Chitanie foi levada às pressas para o hospital com costelas quebradas, um rosto desfigurado pelos golpes sofridos e uma séria lesão cerebral.

Seus ferimentos foram tão graves que sua família inicialmente não a reconheceu. Depois de ficar em coma por várias semanas, com uma chance mínima de recuperação, Chitanie, que trabalhava como médica no Ministério da Defesa, foi retirada do suporte de vida com a autorização de seus familiares.

Investigação
Durante a investigação, a polícia descobriu que o imigrante de 20 anos era da Eritreia. Ele havia recebido uma autorização de residência temporária, enquanto aguardava o pedido de asilo, e em seguida, poder entrar com o processo para receber o estatuto de residente permanente.

Enquanto estava sob custódia, o imigrante confessou ter espancado Chitanie. Também disse aos investigadores que abusou sexualmente da mulher idosa antes do ataque.

Migrantes ilegais
Talvez o aspecto mais escandaloso do caso seja o fato do Conselho da cidade ter anunciado planos de construir um novo centro para migrantes ilegais, no mesmo bairro onde o ataque ocorreu.

Perturbadoramente, o local é o lar de muitos idosos, muitos dos quais estão se isolando em suas casas, com medo de saírem e serem alvos desses estrangeiros criminosos.

Protestos
O ataque foi tão chocante que atraiu a atenção nacional, provocando protestos pacíficos e marchas em apoio à justiça para a vítima, bem como contra o alojamento de mais migrantes na área.

“Doença mental”
O suspeito foi entregue a profissionais de saúde mental para uma avaliação psicológica.

Segundo relatos, o assassino estava recebendo tratamento na unidade de saúde mental da Arkin por um ano antes do ataque. Apesar de seus “problemas de saúde mental” e seu status, ele foi autorizado a vagar livremente pela cidade.

Processo
O processo judicial contra o estuprador e assassino de Chitanie começou recentemente e a próxima sessão será realizada em 19 de setembro.

De acordo com a mídia holandesa, o suspeito não demonstrou remorso e entrou no tribunal sorrindo.

Fonte: Voice of Europe.


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites