Redes Sociais

Mundo

260 milhões de cristãos foram afetados por níveis extremos de perseguição em 2019

Thaís Garcia

Publicado

em

260 milhões de cristãos foram afetados por níveis extremos de perseguição em 2019 15
Imagem: EPA

A organização Portas Abertas lançou ontem (15) sua Lista Mundial de Perseguição, identificando os 50 principais países onde é mais perigoso seguir Jesus Cristo. 260 milhões de cristãos foram afetados por níveis extremos de perseguição no ano passado. Isso é superior aos 245 milhões do ano anterior.

Coreia do Norte ocupa o primeiro lugar novamente pelo 18º ano consecutivo como o pior lugar do mundo para os cristãos; resultado de estar sob a liderança de um regime comunista.

Na maioria dos 50 países principais, o islamismo desempenha um papel enorme nos níveis de perseguição.

Certamente, o islã alimentou a perseguição entre a maioria dos outros países que completam o top 10: Afeganistão, Somália, Líbia, Paquistão, Eritreia, Sudão, Iêmen, Irã e Índia. Com exceção da Índia, onde a perseguição aos cristãos vem aumentando preocupantemente, devido à visão de que “um indiano deve ser hindu”, então qualquer outra fé – incluindo o cristianismo – é vista como religião estrangeira.

Segundo a Portas Abertas, todos os dias no ano passado, uma média de 8 cristãos foram mortos por sua fé , 23 foram estuprados ou assediados sexualmente por violência relacionada à fé, e semanalmente, 182 igrejas ou edifícios cristãos foram atacados e 276 casas de cristãos queimadas ou destruídas.

A Portas Abertas revela que 1 em cada 8 cristãos em todo o mundo vive em lugares onde eles sofrem altos níveis de perseguição por simplesmente acreditarem em Jesus Cristo.

Leia também: Conheça os 50 países em que os cristãos são mais perseguidos

Tecnologia e a perseguição
Em 2019, o regime comunista da China aumentou tanto a perseguição aos cristãos que o país saltou do número 43 em 2018 para 23 neste novo relatório.

Os crimes inigualáveis de direitos humanos da China contra os cristãos tem como objetivo eliminar o sentimento religioso de seus interesses.

A situação para os cristãos da China é terrível. O governo comunista chinês de Xi Jinping implantou um extenso mecanismo de vigilância para monitorar os cristãos. Eles estão realizando isso através da vigilância com pontuação social que mede o comportamento do cristão, com qual frequência ele vai à igreja ou leva seus filhos à escola dominical. Esses comportamentos de um cristão são vistos como pontos negativos.

Leia mais sobre esse mecanismo de vigilância nesta matéria: Black Mirror Chinês: A verdade sobre o Sistema de Crédito Social da China

O governo do ditador Xi Jinping está utilizando essa pontuação social e fundindo-a com a vigilância não apenas para “proteger os cidadãos” nas ruas, mas para exercer uma vigilância invasiva dentro das igrejas. Como consequência, igrejas domésticas estão sendo fechadas por não cumprirem as exigências, e pastores e líderes religiosos estão sendo presos por não cumprirem a lei de “Regras para a administração de grupos religiosos” que exige aos cristãos sua adaptação à sociedade socialista chinesa.

Leia também: Novas leis entrarão em vigor na China: submissão total de grupos religiosos ao Partido Comunista Chinês

Poucos percebem que há um perigo iminente no que se refere à tecnologia chinesa. Ela vem sendo lentamente implementada não apenas em países socialistas, mas também em vários países do ocidente que hoje prezam e defendem a liberdade religiosa. No entanto, a exportação dessa perigosa tecnologia poderá se tornar em um futuro próximo uma ameaça para a liberdade individual, e consequentemente, para a liberdade religiosa.

O governo comunista de Xi Jinping não dá ponto sem nó; ele está construindo uma rota física e também tecnológica de domínio e perseguição para outros regimes ao redor do mundo.

Na china não existe o estado de direito. Tecnologias que podem parecer amplamente apolíticas superficialmente, podem se tornar uma arma política quando o Partido Comunista da China (PCCh) decide usá-las para fins político.

Atualmente, o sistema de vigilância está sendo usado para pressionar pessoas e empresas que fazem parte do Sistema Oficial de Crédito Social dentro da China. No entanto, a exportação dessa tecnologia de vigilância chinesa podem desencadear um espiral negativo e incontrolável também no Ocidente.

Leia: China vai construir cadeia de bases militares em todo o mundo

Leia também: Aniversário de 70 anos da “República Popular” da China não é motivo para celebração”

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

alan correa criação de sites