Redes Sociais

Economia

Paulo Guedes defende uma carteira de trabalho anti-fascista

Segundo ministro da Economia, na carteira verde e amarela, o trabalhador escolherá os direitos que vai querer ter.

Douglas Santos

Publicado

em

Fátima Meira/Futura Press/Folhapress

Paulo Guedes, ministro da Economia, afirmou que o ideal é que exista uma nova modalidade de contratação trabalhista, através da carteira de trabalho verde e amarela.

A nova carteira de trabalho realizaria a introdução do regime de capitalização previdenciário – medida que não constará na PEC da Reforma da Previdência.

Não há uma mudança de regra trabalhista nessa PEC. Nós não vamos misturar isso [reforma da Previdência] e atrapalhar o trâmite, não. A gente primeiro fala que estamos reformando isso daqui [Previdência] e lançando essa proposta [carteira verde a amarela] para ser regulamentada”, disse o ministro.

Guedes ainda chamou a legislação trabalhista de “fascista” e que ela aprisiona a juventude.

A legislação trabalhista brasileira é uma legislação do [Benito] Mussolini [líder do fascismo na Itália], da Carta del Lavoro, pacto fascista de cooptação de sindicatos. Nós estamos vivendo ainda esse sistema, estamos atrasados 80 anos”, disse Paulo Guedes.

CONTATO: [email protected] | Natural de Manaus, estudante de Ciências Econômicas e editor do Conexão Política.

Publicidade
Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Apoiar

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites