Redes Sociais

Destaque da semana

Líderes evangélicos dos EUA realizaram reunião com príncipe herdeiro saudita sobre liberdade religiosa

Thaís Garcia

Publicado

em

Líderes evangélicos dos EUA realizaram reunião com príncipe herdeiro saudita sobre liberdade religiosa 20
Imagem: Saudi Royal Court

Na véspera do aniversário dos ataques terroristas de 11 de setembro, uma delegação de líderes evangélicos americanos se reuniu com o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, para discutir o estado da liberdade religiosa e a batalha contra o extremismo no reino saudita.

A delegação – liderada pelo cidadão e autor norte-americano e israelense Joel Rosenberg – também se reuniu com uma ampla gama de altos funcionários governamentais e militares, para discutir as reformas planejadas como parte da ‘Visão 2030’ do país e visitaram a antiga cidade nabatiana de Al-Ula.

Na reunião, também estiveram presentes a Embaixadora da Arábia Saudita nos EUA, Princesa Reema bint Bandar; o Ministro de Estado dos Negócios Estrangeiros, Adel al-Jubeir; o Vice-ministro da Defesa, príncipe Khalid bin Salman; e o Secretário-Geral da Liga Mundial Muçulmana, Sheikh Mohammed al-Issa.

A delegação também foi informada sobre a história do cristianismo na península arábica e mostrou evidências de que o Irã está ajudando os rebeldes houthis no conflito iemenita.

Esta foi a segunda visita à Arábia Saudita da delegação liderada por Rosenberg. A primeira visita ocorreu em novembro passado, após o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em um consulado saudita na Turquia.

Desta vez, a reunião com Salman aconteceu na véspera do 18º aniversário do ataque terrorista mais mortal em solo americano. O momento da visita despertou a ira dos críticos nas mídias sociais, que observaram que 15 dos 19 sequestradores que participaram dos ataques de 11 de setembro eram cidadãos sauditas.

“Embora possa surpreender alguns escolhermos a semana de 11 de setembro para visitar o reino, na verdade sentimos que não há um momento mais apropriado para focar em onde o reino deve ir, pode ir e para onde acreditamos que está indo. De fato, nossa visita aqui nesta semana é profundamente importante e desafia aqueles que visam atrapalhar a reforma no reino através de um abraço de ódio e medo, em vez de coragem e moderação”, declarou a delegação através de um comunicado.

Junto com Rosenberg e sua esposa, Lynn, a delegação incluía A. Larry Ross, fundador e CEO de uma das mais respeitadas empresas de relações públicas evangélicas dos EUA, a Larry Ross Communications (ALRC); Ken Blackwell, membro sênior do Conselho de Pesquisa da Família (Family Research Council); o ex-presidente da Rede Nacional de Emissoras Religiosas, Wayne Pederson; o ex-CEO da Christian Broadcasting Network, Michael Little; pastor da mega-igreja Skip Heitzig; e a esposa de Heitzig, Lenya.

A delegação também incluiu o executivo evangélico de relações públicas, Johnnie Moore, que também atua como comissário da Comissão Americana de Liberdade Religiosa Internacional e é porta-voz de líderes evangélicos que se envolveram informalmente com o governo Trump. Moore também é presidente do Congresso de Líderes Cristãos.

Esta é a terceira vez que Moore visitou a Arábia Saudita. Ele disse ao jornal Christian Post que a maior parte da delegação evangélica chegou à Arábia Saudita no domingo (10) e saiu na quinta-feira (14). Segundo Moore, os dias estavam lotados de reuniões e viagens e o príncipe herdeiro dedicou grande parte de sua tarde de terça-feira (12) à reunião com a delegação.

Ele disse que o fato de as reuniões terem sido realizadas na semana do aniversário do 11 de setembro “levou a conversa a um nível diferente”.

Rosenberg disse em um comunicado que a delegação foi incentivada pelos senadores Todd Young, de Indiana, e Angus King, de Maine, que visitaram a Arábia Saudita em setembro e também se encontraram com o príncipe herdeiro. No entanto, ele expressou decepção por serem os únicos dois senadores que viajaram para a Arábia Saudita em 2019.

“A Arábia Saudita é um dos aliados estratégicos mais importantes da América na guerra contra o terrorismo radical islâmico e no combate à crescente ameaça iraniana. Sim, existem desafios significativos no relacionamento EUA-Arábia Saudita. Mas pedimos que mais senadores venham para cá, vejam as reformas amplas e positivas que o príncipe herdeiro está fazendo e façam perguntas francas diretamente, em vez de recorrer a Washington “, disse Rosenberg.

Segundo Moore, houve uma “mudança sísmica” nas discussões sobre liberdade religiosa que ocorreram no último ano no reino de maioria sunita.

Moore acrescentou que “as coisas estão caminhando”, quando se trata de diversificação da economia saudita de uma “perspectiva de reforma”. Ele disse que existem muitas barreiras econômicas nos níveis institucional, político e ideológico que estão “caindo rapidamente”.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais. Lutando pelos verdadeiros direitos humanos e pela Igreja Perseguida.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites