Redes Sociais

Análise

Coronavírus chinês: China tenta alterar a história por meio do politicamente correto

Guilherme L. Campos

Publicado

em

Por meio da novilíngua e do politicamente correto a China está conduzindo ações para que a origem do coronavírus chinês caia no esquecimento no futuro. E a coisa vai além do jogo de palavras. Autoridades chinesas, como o porta-voz do Ministério de Relações Internacionais da China (tuíte abaixo) já falam até mesmo que o coronavírus chinês se originou nos EUA. Eles não brincam.

Abaixo o print do tuíte acima com a tradução automática do Twitter:

A escolha rápida de um nome (COVID-19) foi a primeira ação para dissociar a doença do seu país de origem no longo prazo. Naquele momento as pessoas chamavam naturalmente a doença pelo o que ela é e de onde ela vem. Um coronavírus chinês. Daí a importância de não sermos levados por essa manipulação e corrigirmos a maneira como nos referimos a doença: é um coronavírus chinês, é também um coronavírus de Wuhan. Apelidos só contribuem para borrar a história no futuro.

Não há xenofobia alguma ao chamarmos a doença como coronavírus chinês, ou de Wuhan, por dois motivos muito simples: é um coronavírus e é de Wuhan, na China.

Reforçar isso é contribuir para que a história não seja alterada, manipulada, relativizada, precisamos garantir que no futuro ninguém tenha dúvida de onde veio essa doença, o que pode ajudar a evitar novas e piores pandemias. Não se pode sonegar referências precisas para os adultos de amanhã, hoje criancinhas ou até não nascidos. Mudar o modo natural como falamos é censura e neste caso, é tentativa clara de deturpar a história.

A China pode comandar a OMS, mas não pode comandar nosso vocabulário.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Católico, Conservador, Correspondente Internacional, Observador Político e criador do 'The Right Talking'. Atualmente vive no estado da Pensilvânia, Estados Unidos.

Parceiros

alan correa criação de sites