Uma análise crível para 2018 – o ano incrível

Autor: Nenhum comentário Compartilhar:
Imagem: Reprodução

O ano começou e os ânimos para com tal começam a florescer. E 2018 será incrível, a pôr em literatura e a quanto mais queira-se.

Porém, incrível não como sinônimo de maravilhoso — como muitos usam o termo —, como antônimo mesmo de crível. Incompreensível; esquisito; inexplicável: este ano será i. àqueles que irão vê-lo da tela escura que é a tevê.

Não a tratar aqui de qualquer visão pessoal sobre vossos interlocutores, tão pouco de algum sujeito (Bolsonaro, Lula, Moro) público. E que os supersticiosos cessem de ler para que não lhes fira.

Indo direto ao ponto, a revelia popularesca acentuará-se para pôr quantos dedos for possível nas feridas do establishment mal acostumado a ordená-la. Ponto central para este ano e que pode mudar definitivamente o rumo do país — incluindo a abundância de assuntos que ocuparão o debate público daqui às próximas décadas. Mas do quê falaremos?
A base de um debate político maduro — vide o da cultura anglo-americana — é o arcabouço cultural alimentado por uma forte literatura diversificada. Diga-se o óbvio, esta serve como fonte teórica para o mundo prático.

O que, porém, há no país onde Pabllo Vittar e Duvivier são elevados ao topo do debate público? E que, para embasar alguma visão coesa, prefere-se facebookalizar as ideias? Obviamente, não há de se pensar, fantasiosamente, que o brasileiro vá de um momento a outro ler e se fazer conhecedor de tudo; e aí sim, pensará por si e então fará boa política. Nem de cair no erro de se pensar que a inteligência, e seu pedantismo in natura, não traz malefícios à vida social também. Mas a questão — e o erro todo — é o brasileiro sequer ter um imaginário minimamente maduro formado.

Quando sua paixão ser despejada por vias políticas será um tanto caótico. A direita, a esquerda, e os centristas, todos asseguram-se, cada um a seu modo, representantes únicos da massa; que, na verdade, não parecem conhecer o potencial, para bem ou mal, desta.

A quem dúvida e acha que será um ano glorioso, corre-se o risco de se deparar a uma continuação de mau gosto de 2017. É difícil imaginar que a imprensa parará de debater política americana via novelas ou resista a tentação comercial de usar celebridades como fonte mor de moralidade e consciência. Ou não achar que Jair Bolsonaro será eleito e tomará (sem o mesmo fazer movimentos para tal) o foco de todo um país falante.

O brasileiro está habituado, ainda, a tratar a política como forma de dar vazão ao seu ego; a gosto, avilta-se às dores dos outros e acaba criando uma avalanche de sandices. 

Não será um juíz, nem um mito, nem a política americana, nem (quiçá) 2018 e todo seu arranjo de eventos, que salvará ou destruirá esta nação. Senão você, ele, ela, a forma como as pessoas tem se relacionado, os valores em geral, que o fará: caso não calcar-se a uma boa base, o castelo irá cair pelas as próximas décadas já citadas.

Afinal, este é o efeito quando a maior parte da população falante acha-se no direito de impor política partidária à sua história, e a toda uma cultura.
Apesar de tanto se falar em Nova Direita, nova esquerda, renovação política, o mesmo Brasil que jogou no ostracismo o grande músico Heitor Villa-Lobos e seu maior filósofo, Mário Ferreira dos Santos, para brincar de revolução política, volta a assombrar com a quase completa ignorância para com a vida em seu sentido lato.

Este Brasil, que não consegue distinguir seus problemas psicológicos, medos crônicos etc., do alheio a tudo isso, neste ano de 2018 está pronto para, sem querer querendo, iniciar um processo corrosivo.

Resta saber se nossa cultura tem base para aguentar e/ou romper este montante jacobino a frente. Ou então caminharemos para o início de um erro já cometido.

Post anterior

Auditoria revela fraude de quase 350 mil cadastros do Bolsa Família

Próximo post

Míssil da Coreia do Norte pode ter atingido cidade do próprio país

Você pode gostar também:

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.