Redes Sociais

Brasil

Proposta de Senador do MBL prevê serviço militar para ajudar jovens de abrigo

Medida visa coibir o aliciamento de jovens para a criminalidade.

Redação

Publicado

em

Luiz | IPTC

O Senador Eduardo Girão, do MBL, propôs na última terça-feira (5) o projeto de lei 557/2019 ao Senado que concede prioridade a jovens vindos de instituições de acolhimento ou socioeducativas na seleção para o serviço militar. A proposta visa combater o aliciamento de jovens para a criminalidade.

O projeto não altera o processo de seleção atual adotado no serviço militar, nem modifica os efetivos das forças armadas, mas que seja considerado uma parte das vagas para jovens que venham de abrigos.

O senador espera que o projeto tenha apoio de colegas parlamentares para sua aprovação. “Tenho uma boa expectativa de que vamos ter o apoio de nossos colegas para ajudar a dar uma vida melhor e mais humanitárias a esses jovens”, disse Girão.

Segundo dados do Conselho Nacional de Justiça, quase 50 mil crianças e adolescentes vivem em abrigos institucionais. Porém, A falta de estrutura e de profissionais capacitados não fornecem condições no trabalho de inclusão social desses jovens, o que contribui a entrada desses jovens na criminalidade.

Com a proposta, o serviço militar poderá auxiliar a inclusão desses jovens, tanto no trabalho socioeducativo quanto na reinserção deles na sociedade.

Com informações, André Valeriano

O Conexão Política é um portal de notícias independente — compromissado em transmitir os fatos. Analisamos e cobrimos os principais assuntos da política. Contribua: apoia.se/conexaopolitica

Publicidade
2 Comentários

2 Comments

  1. Sempre Mais do MESMO

    09.02.2019 at 11:16

    Brasil: “NA CASA DA MÃE JOANA”, A COISA FUNCIONA ASSIM.

    Sem falar no Judiciário, a situação aqui é, matematicamente, insustentável e parece, que o buraco não tem fundo.

    1 Presidente da República
    1 Vice-presidente da República
    1 Presidente Câmara federal
    1 Presidente Senado Federal
    81 Senadores
    513 Deputados federais
    27 Governadores
    27 Vice-Governadores
    27 Câmaras estaduais
    1.049 Deputados estaduais
    5.568 Prefeitos
    5.568 Vice-prefeitos
    5.568 Câmaras municipais
    57.931 Vereadores

    Total: 70.794 políticos (não estamos falando de nenhum partido de forma específica)

    12.825 – Assessores parlamentares Câmara Federal (sem concurso)
    4.455 – Assessores parlamentares Senado (sem concurso)
    27.000 – Assessores parlamentares Câmaras Estaduais (sem concurso – estimado/por falta de transparência)
    600.000 – Assessores parlamentares Câmaras Municipais (sem concurso – estimado/por falta de transparência)

    Total Geral: 715.074 funcionários não concursados;

    Relação de Gastos:
    248 mil por minuto;
    14,9 milhões por hora;
    357,5 milhões por dia;
    10,7 bilhões por mês;

    Gasto Total: acima de 128 BILHÕES por ano + 6 BILHÕES do FUNDO PARTIDÁRIO, para 2018. Além disso, deve-se computar o rombo na previdência social com suas aposentadorias alienígenas.

    35 Partidos registrados no TSE + 73 partidos em formação.
    As perguntas que são cabíveis diante dessa situação, são as seguintes:

    – Será que a reforma da Previdência é a única prioridade nacional?
    Como é que nós deixamos chegar a esse ponto?
    *********

    Viu só?
    Some-se a isso os funcionários de estatais e concursados em todas essas esferas.

    SOMOU?
    Todos esses que vivem do PODER e NÃO do TRABALHO são em esmagadora maioria militantes do “Socialismo igualitário e contra as diferenças sociais”.

    Quanto mais inúteis e melhor remunerados MAIS SERÃO Socialistas bonzinhos e dedicados aos pobres que fabricam ao sugarem o sangue da nação.

    São MILHÕES de PARASITAS e seus familiares apoiando o esquerdismo PORQUE VIVEM de EXPLORAR a POPULAÇÃO PAGADORA de IMPOSTOS.

  2. Pedro Rocha

    09.02.2019 at 01:06

    Para começo de conversa, MBL não é partido. Isso foi para esconder o fato dele ser do Podemos, um partido de esquerda?

    Segundo, a proposta é ridícula e transforma as FFAA em reformatório, mais uma vez usando os militares como instrumento de engenharia social para salvar um sistema falido.

    Detalhe: “instituição socioeducativa” é eufemismo para os presídios de menores de idade. O senador quer que Champinha aprenda a atirar de fuzil 7,62mm…

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Apoiar

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites