Redes Sociais

Brasil

Programa da Globo diz que Deus é LGBT e o diabo, conservador

Raul Holderf Nascimento

Publicado

em

Programa da Globo diz que Deus é LGBT e o diabo, conservador 19
Matéria: Gospel Prime

O programa humorístico dos sábados na rede Globo, o Zorra, voltou a fazer piada com temas religiosos. O esquete mais longo do programa deste sábado (02/12), era intitulado “Deus mulher”. Ele durou três minutos e meio, enquanto outras piadas foram contadas em menos de 30 segundos, o que mostra uma grande elaboração.

Nele, um pastor chamado Natanael (Welder Rodrigues) morre e vai ao céu. Lá, ele se encontra com Deus (Débora Lamm). Quando o Senhor se apresenta a ele em forma feminina, o pastor questiona, dizendo conhecer a Bíblia e que aquela imagem não correspondia ao que ele imaginava. Isso deixa o Senhor irritado, então ele acusa o líder religioso de estar pecando por não aceitar que Deus pode ser uma mulher.

Tentando mostrar que é poderoso, o personagem de Débora Lamm começa a fazer várias vozes diferentes, incluindo uma que seria de “revelação” e uma igual a do personagem Darth Vader. Diante da recusa do pastor em acreditar, Deus começa a tomar diferentes formas, afirmando que se apresenta como quiser.

Na sequência, diz: “Eu sou negro, negra, judeu, árabe, LGBT, menino, mendigo, deputado, maromba, gordinho, pastor”. Isso deixa Natanael irritado, que afirma que aquilo era um engano do “tinhoso”.

Ele passa então a simular um exorcismo, gritando “Sangue de Jesus tem poder, sai deste corpo”. Fazendo gestos desconexos, imita as línguas estranhas comuns em cultos pentecostais.

Deus então afirma que está farto e manda o pastor para o inferno.

Segue-se então uma sequencia no inferno, onde um ator caracterizado com a imagem popular do diabo (de chifres e tridente), dispara: “Você deu sorte, por que se pega Deus de TPM, aí rapaz…”

Desconcertado, Natanael começa a reclamar e o diabo diz simplesmente “é Sempre assim, Ele pode fazer o que quer. Ele pode ser o que quiser”.

Ato contínuo, o pastor diz que pelo menos o diabo é como ele imaginava. “Eu sou pela tradição, sou um conservador”. O pastor diz que poderia aceitar um “deus mulher”, mas tem dificuldades de imaginar um “deus judeu ou árabe”.

Simpático, o diabo convida Natanael para sentar e pergunta “Como andam os negócios?”

O vídeo pode ser assistido na íntegra AQUI!

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Professor, cristão, colunista, e redator. Amo ciências políticas, sou conservador e nordestino com orgulho.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites