Redes Sociais

Brasil

OAB pede que STF anule buscas contra advogados investigados por suposto desvio de R$ 150 milhões

Marcos Rocha

Publicado

em

Divulgação

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ingressou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) a fim de anular as diligências autorizadas pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, na Operação “E$quema S”.

A força-tarefa questionada pela OAB ocorreu no dia 9 de agosto e mirou algumas das maiores bancas de advocacia do país.

Na ocasião, foram expedidos 50 mandados de busca e apreensão e 26 pessoas passaram à condição de rés na Justiça após recebimento de denúncia do Ministério Público Federal (MPF).

Feita com base na delação premiada de Orlando Diniz, ex-presidente da Fecomércio, a operação investiga desvios de pelo menos R$ 150 milhões do Sistema S do Rio de Janeiro por escritórios de advocacia no Rio e em São Paulo.

Entre os diversos alvos estão os advogados Cristiano Zanin, atual defensor do ex-presidente Lula (PT), e Frederick Wassef, ex-advogado do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

“As autoridades policiais incumbidas de sua execução foram autorizadas a realizar buscas e apreensões extremamente invasivas, podendo se apropriar de elementos sensíveis, estranhos ao âmbito da própria investigação, com relação aos advogados e aos escritórios de advocacia atingidos, bem como em relação aos seus clientes, potencializando grave exposição e até preocupantes vazamentos como a experiência mostra ser a regra no âmbito da denominada Operação Lava-Jato'”, diz a OAB na petição ao STF.

Leia também: Presidente da OAB, Felipe Santa Cruz é delatado pelo ex-presidente da Fecomércio

Editor-chefe do Conexão Política; residente e natural de Campo Grande/MS | FALE COMIGO: [email protected]

alan correa criação de sites