Cármen Lúcia pauta parlamentarismo sem consulta popular

Autor: 3 Comentários Compartilhar:
Imagem: Fernando Frazão/ABR

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, marcou para dia 20 de junho a discussão em relação à mudança de sistema de governo do presidencialismo para o parlamentarismo, sem necessariamente consultar a população sobre o assunto.

De acordo com informações do jornal O Globo:

A ação sobre o parlamentarismo chegou ao tribunal em 1997, proposta pelo então deputado Jaques Wagner. Depois de 21 anos, o tema deve ser finalmente enfrentado pelo plenário da mais alta corte do país.

O jornalista Ancelmo Gois também destacou um ponto muito importante:

O ministro Teori Zavascki, que era relator dessa ação, chegou a confidenciar, pouco antes de sua morte, que a medida poderia abrir uma janela para enfrentar a crise política que se abateu sobre o país.

Post anterior

TSE rejeita consulta sobre candidatura de réus à Presidência

Próximo post

Jair Bolsonaro não pediu nem apoiou obstrução de vias

Você pode gostar também:

3 Comentários

  1. A QUEM INTERESSA A VENDA DA PETROBRAS? “””por traz dos planos econômicos dos principais candidatos tanto da esquerda como da direita, ( porque para a NOM não interessa o lado) – a ideia e vender a Petrobras! O que querem os globalistas? Escravizar os brasileiros? Vale a pena pesquisar a fundo o que ha por traz ?

    “Os números da Petrobras são superlativos e espelham sua grandiosidade e papel estratégico para o país. Em fins de 2002, a companhia, que vinha sendo preparada para ser vendida, valia cerca de US$ 15 bilhões em valor de mercado. Durante o governo Fernando Henrique, a empresa registrou lucro líquido médio de R$ 4,2 bilhões por ano. Nos governos Lula e Dilma, a média anual passou para R$ 25,6 bilhões. O lucro anual da Petrobras seria suficiente, por exemplo, para custear o investimento de um ano do programa Bolsa Família. Nos últimos doze anos, o lucro líquido acumulado supera R$ 300 bilhões.
    Os resultados financeiros refletem o trabalho do dia a dia. A produção de petróleo da companhia cresceu 50% de 2002 a 2014, sempre acima da média mundial. Apenas no ano passado, cresceu cerca de 7,5%, graças aos campos do pré-sal. A Petrobras é a única petrolífera que registrou crescimento de produção nos últimos anos em comparação com as gigantes do mercado, como Shell, Exxon, Chevron e BP, que estão sofrendo com a crise financeira internacional.
    O número de plataformas da empresa mais que dobrou de 2002 até hoje: eram 36e agora são 82, resultado do forte investimento feito na última década. A Petrobras, que no passado investia US$ 2 bilhõespor ano, passou a investir mais de US$ 3,5 bilhõespor mês.
    Essa é a empresa real – com números reais – que querem esconder valendo-se das denúncias que surgiram com a Operação Lava Jato, o que gerou o clima de forte especulação que fez a companhia perder tanto valor de mercado em tão pouco tempo. A Petrobras é uma empresa sólida, mas a campanha em curso – em discurso uníssono na imprensa – visa enfraquecê-la. Tentam reverter as mudanças do marco regulatório do pré-sal brasileiro, a que se adiciona o papel geopolítico de uma petroleira brasileira enfraquecida, com uma cadeia de fornecedores, em formação, destroçada e sem condições de continuar competindo para formar uma indústria com conteúdo nacional que gere emprego e renda no país”
    Fonte:https://jornalggn.com.br/noticia/o-interesse-por-tras-do-ataque-a-petrobras-por-sergio-gabrielli

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.