Redes Sociais

Artigo

Uma riqueza de fatia

Francisco Teodorico

Publicado

em

Uma riqueza de fatia 21

Você é uma pessoa rica? O que significa alguém ser rico para você? Existe um parâmetro?

Esta semana, minha esposa e nossa filha viajaram, sem mim, para um Congresso, no Sul do país. Só então que pude perceber a falta que elas fazem: a casa, exceto pelos cachorros e pela diarista, ficou um silêncio. Não havia ninguém para me interromper enquanto escrevia esse artigo, ninguém para eu mandar escovar os dentes, etc.

Nós comumente não damos valor ao que temos porque tudo está ali ao alcance da mão, dos olhos ou da voz. Conforme a vida vai avançando, vamos evoluindo financeiramente e passamos a não prestar mais atenção às “pequenas coisas da vida” como se estivéssemos numa espécie de curva de Laffer, onde no eixo horizontal residem nossas riquezas reais e no vertical, as materiais.

Ao ler as notícias do dia, infelizmente, notamos que essa curva, para nossos políticos, principalmente os esquerdistas, aproxima-se mais de uma função exponencial e a perda de conexão com os verdadeiros valores da vida se perdem rapidamente: não respeitam símbolos religiosos, a verdade, os costumes, o dinheiro público, usurpam o poder, etc.

Neste curto período de tempo que se iniciou sábado passado, dois momentos foram marcantes para mim.

O primeiro foi quando percebí que estou envelhecendo: peguei-me observando o café escorrendo pela máquina, lembrando do sorriso da atendente que nos serve, refletindo sobre tudo o que aconteceu até que aquela água passasse pelo pó para nos proporcionar aquele momento mágico. E tudo isso num pequeno gif enviado por uma amiga, no Twitter.

E para coroar a semana, a cereja do bolo. Compartilho com vocês um vídeo que viralizou, que provavelmente você já viu, mas isso não fará com que fique imune ao risco de se liquefazer…

O tema de meu artigo dessa semana não seria esse, mas a pedido de uma amiga, que conheci nas redes sociais, não poderia deixar de usar como assunto. Confesso que senti-me muito pequeno para escrever sobre algo tão grandioso como o amor que une essa família. Nenhuma palavra que eu digitar é digna da descrição dessa cena. Eu as procurei para escrever uma poesia, mas concluí que esta não se faz com palavras escritas…

Em menos de um minuto de filmagem, feita pela mãe da pequena Emanuele, de 5 anos, quanta riqueza não encontramos? Eu não me atrevo a enumerá-las, pois já estou abusando demais em tentar escrever um artigo à altura do fato.

Cheguei a pensar em enviar esse vídeo para nossos parlamentares, velhos conhecidos de envolvimento com corrupção e de defesa de interesses egoístas… Porém, concluí que em algum ponto dessa curva eles perderam essa conexão e o vídeo não teria efeito algum.

Não fariam a mínima correlação de que o restante daquele bolo ficou na propina, no desvio de verba, das pessoas que morrem nas UTIs (quando elas existem), dos remédios que faltaram nas farmácias aos mais carentes, das escolas sem estrutura, da falta de saneamento, e nos conchavos que tiraram desta família a oportunidade de uma comemoração à altura que merecem pelos valores que conseguem transmitir uns aos outros.

Não sei se esse pai conseguirá cumprir a promessa feita à filha, mas uma coisa eu tenho certeza: essa família é um presente para todos nós e são todos um grande presente que Deus reuniu num único teto e que Ele deu um ao outro.

Esta família (não apenas o pai), nos remete à parábola dos talentos (Mt 25, 14-30), cada um com seu papel dando-nos uma lição de vida. E mostram como multiplicar no pouco que receberam (ou que lhes foi suprimido). Eles nos remetem ao que muitas vezes deixamos para trás, talvez venha daí o grande sucesso que o vídeo fez. Será que não é um chamado para voltarmos a ser o que éramos?

E eu me pergunto: por que será que os esquerdistas e políticos são tão insensíveis a exemplos como esses que certamente chegam a eles? Será que perderam os valores ou nunca os tiveram? Não sei a resposta, mas torço para que tenham tempo de recuperá-los, pois após nossa hora final, não será mais possível.

Espero que percebam que existem pessoas que são tão pobres, mas tão pobres, que a única coisa que possuem é dinheiro…

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Pai, casado, católico, matemático, analista de sistemas, pós-graduado em Gestão de TI (USP), enxadrista, karatedoka, especialista em Gestão do Tempo.

1 Comentário

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites