Redes Sociais

Artigo

Scar — o comunista: entre leões, hienas e isentões

O desenho nos mostra que os isentões ao se furtarem do debate deixam espaço para que as hienas dominem.

Julliene Salviano

Publicado

em

Reprodução

Neste ano, já li de tudo sobre esse assunto – desde “Simba fascista” até “Entre leões e hienas”, que são os títulos de alguns dos textos publicados.

A última da vez foi a capa de certa revista que mostrava metade leão metade Bolsonaro.

Mas está faltando falar daquele, ainda oculto, que dá o tom à narrativa.

Scar é o perfeito comunista.

Nunca um desenho (O Rei Leão) foi tão feliz numa representação.

Enquanto Mufasa buscava manter a harmonia do Reino, preparar o sucessor (Simba) e proteger o Reino das hienas, Scar só pensava em como tomar o poder para si.

“A vida não é justa, eu nunca serei Rei”, dizia o Leão vitimista com sede de poder.

Dissimulado, ele finge não respeitar as hierarquias estabelecidas apenas para sobrepor o modelo vigente e trocar o comando, se aproveitando da inocência para manipular os desavisados.

Sempre nas sombras manipulando, ele não é o rei, mas seria melhor que fosse já que é tão “respeitável” e fala sempre com educação e decoro para agradar os mais afrescurados e sensíveis.

Trabalhando com esperança, ele promete uma nova vida, dizendo que as injustiças irão acabar.

Mas deixa claro – “Não irão comer nada sem mim”. So melhor estilo comunista, ele mantém os aliados com fome, para que só “comam” através dele.

O que historicamente ocorre sempre, haja vista os famintos da Venezuela.

As hienas acham que irão matar o Rei e que os reinados acabarão. Ledo engano, pois Scar alerta que haverá um novo reinado: “Um bom camarada, que povo vai logo adorar” , e promete: “vocês que serão mais amados, façam tudo que eu tramar, pois vou distribuir prêmios caros, para amigos que estejam afim”.

Isto nos remete, facilmente, aos escânda-los de corrupção: “Mensalão”, “Petrolão” e “Lava-jato”.

“O Golpe do século, bem premeditado e calculado”, profetizou o desenho.

Ao final de “Be prepared” Scar, o Comunista é colocado no topo de uma montanha, formando com a Lua o famigerado símbolo do comunismo com as hienas bem abaixo.

O recado foi dado.

Ao assassinar o Rei, sendo o assassinato de pessoas e reputações – modos operandis natural de qualquer comunista – Scar toma o poder contando uma história triste as leoas e, claro, sendo dissimulado e fazendo discursos (sua grande arma), no qual finge tristeza pela morte do Rei assassinado por eles mesmos.

Quantos assassinatos e mortes mal explicadas ronda o comunismo e seus líderes na história?

Cai a “noite”, tudo fica cinza e sem vida no reino. Ao melhor estilo do comunismo ao tomar o poder, Scar leva a nação a bancarrota – consumindo todos os recursos de forma desenfreada, pois tudo vai perdendo a vida.

Até mesmo as suas aliadas, as hienas, começam a cobrar mais recursos, mais alimentos. Porém, a terra está totalmente devastada.

É claro que ele não assumiria a culpa pela má administração – colocando-a nas leoas (oposição).

No desenho, a dupla Timão e Pumba representam os nossos queridos isentões – que achando que se afastando e “virando as costas para o mundo”, viverão sempre alheios aos problemas vigentes.

Na mão deles, o jovem leão Simba vira um alienado da realidade, enquanto eles esquecem dos problemas, no melhor estilo “Hakuna Matata”.

A destruição avança pelo país.

Diz eles: “não fazemos mal a ninguém”. Enquanto isso… o mal domina o pedaço.

Simba, finalmente, acorda e retorna para salvar a pátria, se deparando com uma nação arrasada e com as humilhações impostas pelo comunista Scar.

O povo local reclama da fome e, como sempre acontece, apontam a necessidade de deixar o local (Imigração em massa).

Scar ameaça, insulta e provoca, mas em público condena a violência.

Apenas para ilustrar e fazer um paralelo, no Brasil defendem o desarmamento para a população, enquanto pregam a revolução armada e, ainda, falam de “uma boa pá e uma boa cova”.

O Leão comunista começa coagir com calúnias aquele que quer trazer a ordem e o progresso à nação.

Para variar, o leão salvador cai na narrativa e as hienas, que são fiéis companheiras do comunista, caem em cima de quem quer salvar o reino.

Quase tardiamente, quando percebem o mal causado pelo comunismo, finalmente, a dupla de isentões resolve entrar na briga.

Com Simba no poder, a nação volta a ser próspera. Parece um desenho infantil, mas a narrativa é um alerta.

O desenho nos mostra que os isentões ao se furtarem do debate deixam espaço para que as hienas dominem.

Portanto, se você é uma dessas pessoas, por favor, saia de cima desse muro e tome seu lugar na história.

Lembrem-se que as hienas morrem de medo dos Leões.

No Brasil e no mundo podemos ver, agora mesmo, as movimentações que estão ocorrendo para desestabilizar países bem estabelecidos.

Achar que tudo isso é apenas obra do acaso, beira a uma preocupante cegueira.

Na verdade, tudo isso é obra de um planejamento da internacional comunista, na qual faz parte o Foro de São Paulo, que reúne todos os partidos de esquerda.

Apenas um lembrete: o PSDB um dia lamentou não ter sido convidado para determinada reunião deles. Portanto, não se engane: mudam de roupa, personagem, mas por dentro continuam os mesmos vermelhos.

Antes de terminar esse texto, pergunto a revista, cuja capa traz metade leão metade Bolsonaro: essa seria uma alusão ao Simba? Personagem do desenho que salva sua nação do comunista Scar e suas hienas? Se sim, me parece bem apropriado. Aos adeptos da ideologia do Scar, estamos de olho em vocês!

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Gestora Pública, paisagista e assessora de imprensa.

alan correa criação de sites