Redes Sociais

Artigo

O Ranço Eleitoral

A verdadeira cicatriz pós-eleição.

Neilson Faria

Publicado

em

O Ranço Eleitoral 20
Divulgação | Conexão Política

As eleições são quase sempre campos de batalhas em que os eleitores escolhem um lado, um pacotinho de ideias e uma dose de retórica agradável aos seus ouvidos e vão à luta — digladiando inimigos, justiçando falsos amigos e construindo uma vitória ou absorvendo a dor da derrota.

O problema é que essa guerra eleitoral deixa sequelas profundas nos seus militantes e há quem não consiga se recuperar rapidamente.

Os sequelados podem sofrer por anos e quase sempre manifestam sintomas psicossomáticos como falta de audição seletiva, dificuldade de leitura, dissociação da realidade e uma extrema perda do senso de proporções.

No âmbito político, eu chamo esse conjunto de sintomas de Ranço Eleitoral — uma espécie de doença de ordem psicológica.

Não tem problema algum em se manter um certo nível de ranço quando termina alguma eleição.

É normal, natural e, em condições normais, ele tende a diminuir com o passar do tempo, podendo ou não desaparecer até o próximo ciclo eleitoral.

A grande novidade pós 2018 foi a indução gradativa e programática do ranço eleitoral de forma a mantê-lo ativo no paciente e até mesmo potencializá-lo.

Alguns eleitores que tiveram seus candidatos prediletos derrotados em 2018 e, portanto, portadores de uma forma aguda de ranço eleitoral, por um acaso, têm voz e audiência em veículos de mídia mainstream. São jornalistas, editores, artistas, politiqueiros ou subcelebridades.

Esses grupos vêm alimentando o ranço diário dos eleitores que já manifestariam os sintomas num ambiente normalizado e por isso já se encontram debilitados.

As várias doses diárias de ranço injetadas diretamente na veia dos mais fracos criam um macroambiente doente, pesado, contaminado e de difícil imunização.

É impossível discutir seriamente qualquer assunto com um portador de ranço eleitoral.

O ranço em demasia cria a aversão, o ódio e, em última instância, a completa perda da realidade fática — levando o então portador desse mal a uma vida de ilusões distópicas e afastamento definitivo do mundo real.

Se alguém odeia outrem ou alguma coisa, não há absolutamente nada que esse outrem ou essa coisa poderia demostrar de positivo que reduzisse os sintomas do ranço de forma a levar os pacientes a uma reflexão mais profunda sobre qualquer assunto.

Não há voltas a dar.

O tratamento recomendado para os casos ainda passíveis de recuperação é bastante repouso, bom-senso 3x ao dia e completo afastamento das mídias tradicionais.

Se as recomendações forem seguidas para sempre, o ranço tende a diminuir drasticamente, pelo menos até o próximo ciclo eleitoral.

Os pacientes indispostos a se submeter ao tratamento não podem e não devem ser confrontados.

O processo de cura é personalíssimo e cada um tem o seu tempo.

O enfrentamento só gera mais ranço.

Seja compreensivo com o paciente e, se ele for alguém próximo que você realmente se importa, vez ou outra, tente rir dos sinais claros do ranço. Ria com ele, nunca dele.

Afinal, nós nunca sabemos se ou quando nossos amigos serão vitimados pela manifestação mais aguda e fatal do ranço: a morte intelectual.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites