Não!

Autor: 3 Comentários Compartilhar:

Para que elegemos parlamentares se eles não nos representarem? O brasileiro está cansado de eleger representantes que abusam do poder que lhes foi atribuído e toma decisões contrárias à vontade daqueles que o elegeram, afinal, quatro anos (ou seis, dependendo do cargo) é um tempo significativo para a memória.

Com muita frequência vemos decisões que saltam os olhos da população tamanha a cara de pau (não consigo encontrar outra expressão que traduza com exatidão a revolta do brasileiro).

Um exemplo recente foi o projeto de lei apresentado pelo Deputado Lindomar Garçon (PRB-RO) que visa proteger os postos de trabalho dos empregados da Eletrobras em caso de privatização da estatal [01].

Outro, entre inúmeros que poderiam ser citados, é a celeuma pela votação secreta ou aberta para a Mesa do Senado Federal [02]. Oras, se os políticos são eleitos para nos representarem, como saberemos se realmente o estão sendo as votações secretas? Certamente existem exceções à regra, mas este, obviamente, não é o caso. E mais uma vez a pulga pula para trás da orelha do brasileiro: por que será que, com todos os precedentes e processos (engavetados) no STF, Renan Calheiros ainda detém tanto poder político?

E se tivéssemos um dispositivo na legislação onde a população pudesse votar e derrubar decisões tomadas pelo Congresso? Esta solução demandaria a mudança de nossa legislação, mas não é impossível, afinal, regras são feitas por políticos…

Através da criação de uma ferramenta de validação no próprio site oficial do Congresso Nacional, de forma que, dentro de um prazo pré-estabelecido e através de regras claras, a população poderia validar as decisões tomadas pela casa. Um método que poderia ser usado é através de uma votação popular. Se houver uma rejeição de, por exemplo, mais de 50% do número de eleitores, a decisão tomada pelo Congresso seria derrubada.

Certamente não resolveríamos todos os problemas políticos do país, mas o minimizaríamos bastante, além de viabilizar a politização ainda maior de nosso povo que se envolveria de forma mais incisiva nos rumos do país.

Precisamos encontrar ferramentes para podermos dizer: Não!

[01] Deputado propõe projeto que veta demissões na Eletrobras: viva o cabide de emprego!

[02] Marco Aurélio determina votação aberta para eleição da Mesa do Senado

Post anterior

Da Redemocratização a Nova Era

Próximo post

53,3% dos brasileiros apoiam privatizações, diz pesquisa Crusoé/Paraná

Você pode gostar também:

3 Comentários

  1. TEM QUE HAVER TRANSPARÊNCIA EM TODOS OS SETORES,SE FORAM ELEITOS PELO POVO PQ VOTAÇÃO SECRETA??????MUDA BRASIL MUDA DE VERDADE INTERVENÇÃO MILITAR NO STF VERGONHA NACIONAL

  2. É uma idéia que já pensei nisto muitas vezes, mas, é difícil chegar até o governo uma proposta assim, há agora com o atual governo. Já era para ser lei a participação direta da população na validação das decisões tomadas pela Câmara e Senado. O Poder emana do povo e os políticos eleitos são apenas representantes do povo e não dos Partidos. Outra mudança na Constituição que deveria ser lei há muito é o do voto facultativo nas eleições. Não é democracia quando o povo é obrigado a participar do processo eleitoral sob ameaça de pena e punição através do título de eleitor; e a única opção viável do eleitor para evitar eleger um político que não atenda a necessidade do povo é a de votar nulo, quando o povo deveria ser livre para às com opinião formada sobre o candidato e as suas propostas de governo! Vai uma idéia para o colunista deste artigo: criar uma ONG popular sem caráter político para evitar ser mais um partido, para as pessoas filiarem-se e assim poder elaborar elaborar re apresentar “Abaixo-assinado” com as propostas políticas mais urgentes e poder protocolar diretamente no gabinete do Ministro da Casa Civil, para ser aprovado via “Plebiscito” onde a população decide uma matéria antes dela ser elaborada pelo congresso, apresentando uma proposta pré-elaborada ao governo e que para ser alterada necessita aval dos assinantes do documento. Apoio esta idéia e participaria dela.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.