Redes Sociais

Artigo

Greenwald vai desMOROnando

Francisco Teodorico

Publicado

em

O Brasil está diante de uma distopia: vemos homens (e mulheres) de bem sendo brutalmente atacados por políticos de longa ficha criminal.

José Guimarães, que foi pego em flagrante com dinheiro na cueca sugere que Moro entregue o celular! [10] Por que não sugere que Gleen Greenwald entregue as provas que diz ter? Será que se eu disser para uma mulher que alguém disse que ela tem os seios verdes ela deveria me enviar uma foto para provar que é mentira? Algo mudou ou o ônus da prova ainda pertence a quem acusa?

Ver um sujeito como ele que, pasmem, fez parte da “Comissão sobre medidas contra a corrupção” [20], quando deveria é ter sido cassado por falta de decoro, inquirir Moro e falar em ética e verdade é o cúmulo do absurdo. E nem vou entrar no mérito da questão do que ele falou sobre a Reforma da Previdência… [30]

Até quando seremos reféns? O crime organizado recebe mandato e não podemos fazer nada para evitar as consequências de nosso Sistema Político nefasto?

Desidratam a Reforma da Previdência, derrubam o Decreto das Armas, desrespeitam nossos Ministros da Economia, Justiça, Educação, Direitos Humanos, etc. Será que não percebem a voz das ruas no país inteiro?

Eleições municipais estão chegando. Fiquemos atentos e usemos nossa força como o fizemos em boicotes contra empresas que hoje se encontram em recuperação judicial. Com o povo brasileiro não se brinca mais.

Moro é vítima de um crime e tentam transformá-lo num criminoso através da estratégia de fazer o rabo balançar o cachorro: defendem a prisão de Moro e Dallagnol e a liberdade do criminoso de Curitiba!

 

Sim, ele supostamente cometeu crimes!

Vamos então aos fatos do que está acontecendo:

Gleen Greenwald publicou uma “reportagem” baseada em supostas mensagens obtidas no celular do então Juiz, Sérgio Moro, onde, segundo ele, há o registro de conversa com o Procurador Deltan Dallagnol. As mensagens foram obtidas no Telegram [360], através de uma fonte que ele afirma ser anônima (providencial isso, não?), logo, caracteriza um hackeamento por um cybercriminoso. [340]

Para efeito de esclarecimento, “(…)Inicialmente, o jornalista Glenn Greenwald afirmou publicamente que se tratava de fonte anônima, o que foi posteriormente corrigido por ele para “fonte a ser protegida”, nos termos do art. 5°, XIV, da Constituição Federal,(…)”, como lembra a Dra. Silvia Mariozi [380]

Os indícios de que houve hackeamento são fortes, devido aos recentes bloqueios e funcionamento suspeito do celular.

Observemos, antes de prosseguir, que o The Intercept e a Revista Veja utilizaram-se do seguinte subterfúgio: exposição dos diálogos que não envolviam Lula, o que nos leva a crer que o objetivo é de desviar a atenção de que a matéria tem como objetivo inocentar Lula. Para quem não sabe, André Esteves, sim, aquele que foi preso por Moro, comprou a Editora Abril…

E como afirmou Felipe Moura Brasil: “Antes, Veja dava na capa INFORMAÇÃO (que constava, por exemplo, em depoimento à PF). Após compra da Abril, que publica Veja, ser financiada por André Esteves, alvo da Lava Jato que Palocci disse ter beneficiado Lula, é só ILAÇÃO (“irregularidades”), só NARRATIVA à moda Intercept.” [370]

Vamos então aos fatos:

1) Ele postou conversas roubadas por um cybercriminoso

Aqui cabe uma observação: não confundir hacker [40] com cybercriminoso [50]. Um se diferencia do outro pela ética adotada dos conhecimentos acumulados. O caso em questão é de hackeamento por um cyberciminoso.

Note que o material foi obtido de maneira criminosa e ele o publicou sabendo de sua origem. “Ou ele é criminoso (usou produto de roubo) ou é mentiroso (as conversas foram adulteradas), das duas uma”, como observou Carla Zambelli, deputada federal (PSL-SP).

E se não fosse através de um cybercriminoso é mais grave ainda, pois teria sido através de membros de governos anteriores… Quanto mais se mexe, mais fede.

Os jornalistas dessa mídia (The Intercept) poderiam aprender com a Editora Abril, quando ainda tinham credibilidade, como fazer jornalismo sem usar produto de roubo.

Uma mulher encontrou a valise do líder da quadrilha do Mensalão, José Dirceu e a entregou na Editora Abril. Ao atestar quem era o dono, resolveram ligar para devolvê-la, pois havia a possibilidade de ser produto de furto. Essa atitude vai além do profissionalismo e para nós, conservadores, não há necessidade de justificá-la. [280]

Ao contrário do que a Esquerda defende, os fins não justificam os meios. Se assim o fosse, seríamos um grupo de bárbaros e não uma sociedade que preserva valores como honestidade, justiça, etc.

2) Ele não consegue provar a veracidade das mensagens [360]

Se ele sustenta que as mensagens são autênticas por que até agora não as mostrou? Guardá-las até dar o furo (sic) é compreensível, mas qual a explicação para não entregá-las às autoridades?

3) Ele não consegue encontrar nada ilegal nelas

O Brasil não tem juiz de instrução e, portanto, magistrado dialoga com os advogados das partes, na nossa tradição jurídica. As conversas geralmente são no gabinete do juiz (também em audiências ou até por WhatsApp). Ademais, a comunicação que Moro fez é prevista em lei.

4) Ele adulterou nomes e datas delas, não consegue disfarçar e um áudio de sua equipe confirmando o fato foi vazado

Como bem lembrou Zambelli, “O Verdevaldo deitou e rolou sobre as supostas conversas obtidas ILEGALMENTE dos procuradores da Lava Jato, mas agora está verde de raiva porque está sendo alvo de uma investigação LEGAL do COAF. Por que todo esquerdista tem mania de achar que está acima da lei?”

Em minhas pesquisas, com a ajuda de alguns amigos advogados, encontrei as seguintes informações:

1) Uso de produto de crime é crime; Art. 180 do Código Penal e Lei 12737
2) Adulteração de “provas” é crime; Art. 298 e 299 do Código Penal
3) Acusação falsa de crime é crime; Art. 339 e 340 do Código Penal

O que dizem os artigos:

Art. 180 do Código Penal – Adquirir, receber, transportar, conduzir ou ocultar, em proveito próprio ou alheio, coisa que sabe ser produto de crime, ou influir para que terceiro, de boa-fé, a adquira, receba ou oculte: Pena – reclusão, de um a quatro anos, e multa. [70]

Art. 298 do Código Penal – Falsificar, no todo ou em parte, documento particular ou alterar documento particular verdadeiro: Pena – reclusão, de um a cinco anos, e multa. [80]

Art. 299 do Código Penal – Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar, ou nele inserir ou fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita, com o fim de prejudicar direito, criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante: Pena – reclusão, de um a cinco anos, e multa, se o documento é público, e reclusão de um a três anos, e multa, de quinhentos mil réis a cinco contos de réis, se o documento é particular. [90]

Art. 339 do Código Penal – “Dar causa à instauração de investigação policial,de processo judicial,instauração de investigação administrativa,inquérito civil ou ação de improbidade administrativa contra alguém,imputando-lhe crime de que o sabe inocente:” Pena:Reclusão, de 2 a 8 anos, e multa. [100]

Art. 340 do Código Penal – “Provocar a ação de autoridade, comunicando-lhe a ocorrência de crime ou de contravenção que sabe não se ter verificado:” Pena: Detenção, de 1 a 6 meses, ou multa. [110]

O art. 5º, XII, da Constituição Federal positiva a inviolabilidade do sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial. [60]

Lei 12737, que torna crime invadir celulares, tablets e computadores. [120][130]

A Dra. Silvia Maiozi, analisa que “Arquivos hackeados podem ser classificados como objeto do crime previsto no art. 10[3] da Lei n. 9.296/1996 e/ou artigo 154-A do CP. Nesse caso, a ocultação do objeto do crime poderia configurar, em tese, receptação (art. 180 do Código Penal[4]) ou mesmo favorecimento real, artigo 349 do Código Penal[5].” [380]

Os “erros de edição”, confessados pelo próprio Greenwald, segundo dois especialistas conceituados, que foram consultados, são suficientes para que ele tenha um pedido de prisão por fraude solicitado. [140]

 

Sim, ele acusou Moro!

Um dos argumentos muito usados pelos esquerdistas nas redes sociais, é de que Gleen nunca acusou o Ministro Sérgio Moro de nada. Como de praxe, é uma afirmação mentirosa e também como de costume, podemos desmascará-los facilmente com diversas provas (aliás essa é uma palavra que deve causar arrepios de medo neles).

Bruna de Pieri, em reportagem para o Terça Livre, narra que Gleen acusa Sérgio Moro de:

1) conluio com os procuradores da lava Jato em Curitiba
Segundo ele, com o objetivo de fraudar a democracia e agir com parcialidade. [150]

2) ser “chefe da força-tarefa da Lava-Jato”
Desconfio que aqui os limites da opinião ultrapassaram os de calúnia e da difamação, não? [150]

E claro que também não poderiam faltar as famosas “ameaças de morte” que nunca provam, advindas do “lado obscuro da Lava Jato”. [150]

Se isso não é uma acusação, preciso jogar fora o meu dicionário…

E por falar em conluio, observemos a cronologia dos fatos:

29Mai2019
Greenwald procurou a Globo para parceria

04Jun2019
O Ministro da Justiça tem o celular hackeado por um cybercriminoso

05Jun2019
Greenwald teve encontro na Globo e disse que uma bomba estava para explodir

Como ele sabia que seria hackeado? [170]

O jornal do “marido” do Deputado Federal (desculpem-me aqui se houver um equívoco, pois não sei quem é quem nessa relação), indiciado por espionagem, publica a matéria com conteúdo privado e chama isso de “furo” (sic). [160]

Ah… se fôssemos um país de fato…

E as acusações não pararam por aí, na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, em 25 de Junho de 2019, ele ainda tem a petulância de afirmar que Moro perderia o cargo em qualquer país democrático [180].

Também em audiência pública na Câmara dos Deputados, acusa o Ministro da Justiça e os procuradores da República da Lava Jato de fraudadores da democracia! [190] Será que ele ao menos se deu ao trabalho de abrir o processo do bandido de Curitiba, numa seção chamada Provas e Evidências e leu as 120 páginas?

E nos ataques contra Moro continuam chamando-o de cínico e que se estivesse nos EUA seria preso. [210] Snowden que o diga…

Pergunto: em que país democrático alguém que age de forma suspeita como essa atacaria de forma tão covarde um homem honrado e íntegro dessa maneira?

E claro que nessa receita não podia faltar o vitimismo, pois acha-se acima da lei e acredita que é “abuso de poder” a Polícia Federal ter acionado o COAF para que investigue suas finanças. [200] E pasmem, o Ministro da Justiça terá que, novamente dar explicações ao Congresso Nacional dos motivos da… investigação! A polícia agora não pode mais investigar?

Em 25 de junho de 2019, ao ser entrevistado pelos parlamentares, no Congresso Nacional, Gleen afirma que “o método como as informações foram obtidas não tem importância”, que “não importa se o material foi roubado”. Com essas afirmações percebemos que um dos objetivos desta ofensiva esquerdista organizada é abrir o precedente perigoso de se aceitar produtos de crime como prova (vide Art. 5º da Constituição Federal citado anteriormente). [220]

Neste mesmo dia, a deputada federal Kátia Sastre (PL-SP) lembrou das reclamações destes mesmos esquerdistas sobre a escuta telefônica da conversa entre Dilma e Lula (devidamente autorizada pela Justiça) que, esta sim, apresentava provas de um crime. [220] Quanta coerência, não? Na sequência ela chegou a afirmar que quem deveria sair dali com voz de prisão era ele! Afirmação a qual eu concordo plenamente.

 

Não, Greenwald não ganhou um Pulitzer

Para dar credibilidade ao pasquim do norte-americano, naturalizado brasileiro, seus partidários (na verdade eu gostaria de usar outro adjetivo, mas não posso) bradam aos quatro cantos que ele é um jornalista respeitado, pois ganhou um Pulitzer em 2014.

Ao consultar a lista de vencedores do Prêmio em questão encontramos o seguinte, na categoria Jornalismo [300]:

Serviço público
“Guardian US” e “Washington Post”

Reportagem em tempo real
“Boston Globe”

Reportagem investigativa
Chris Hamby, do Center for Public Integrity, de Washington

Reportagem explicativa
Eli Saslow, do “Washington Post”

Reportagem local
Will Hobson e Michael LaForgia, do “Tampa Bay Times”

Reportagem nacional
David Philipps, do “Gazette”, de Colorado Springs

Reportagem internacional
Jason Szep e Andrew R.C. Marshall, da Reuters

Artigo
sem vencedores

Colunista
Stephen Henderson, do “Detroit Free Press”

Crítico
Inga Saffron, do “Philadelphia Inquirer”

Editorial
Equipe do “Oregonian”, em Portland

Cartunismo editorial
Kevin Siers, do “Charlotte Observer”

Fotografia em tempo real
Tyler Hicks, do “New York Times”

Fotografia
Josh Haner, do “New York Times”

Você vê o nome de Gleen como premiado? Nem na categoria Reportagem Investigativa, não é? Quem ganhou nesta categoria foi Chris Hamby!

Ele nunca ganhou um Pulitzer!

Tecnicamente falando quem recebeu o prêmio foi o jornal britânico, The Guardian, onde ele trabalhava.

Os defensores dirão que foi por causa da reportagem feita por ele, isso é fato. Porém, o que você acharia se ouvisse Viggo Mortensen afirmar que ganhou o Oscar em 2019? Absurdo, não? Sabemos que o Oscar de melhor ator foi para Rami Malek (ator) e Mahershala Ali (ator coadjuvante)! Mas e se ele sustentar que trabalhou no filme vencedor do Oscar, o Green Book? Percebe agora como se pode contar uma grande mentira apenas com meias verdades? Mas o que é a verdade para essa gente senão apenas um detalhe…

Ainda que ele tivesse ganho o prêmio, como afirmou Flavio Gordon, isso não diria nada sobre ele, mas diria muito sobre o Pulitzer…

Além do mais, esses prêmios internacionais, infelizmente, perdem, a cada ano, a sua credibilidade devido ao lobby esquerdista que age nos bastidores.

Tomemos como exemplo didático o Prêmio Nobel.

Stalin não ganhou dois prêmios Nobel da Paz, mas foi nomeado duas vezes – em 1945 e 1948. Hitler foi nomeado em 1939. Mussolini, em 1935. Fidel Castro, em 2001. E Obama ganhou em 2009.

Sim, houve edição de imagens, adulteração de provas!

Ao afirmar que editou as reproduções das supostas provas, Greenwald assina um atestado de culpa, pois jornalistas de verdade não “editam” reproduções de provas, apenas revisam textos das reportagens!

Para você entender de forma didática o que uma edição pode fazer, observe o texto abaixo após uma “edição” feita apenas com uma vírgula (note que são as mesmas palavras ipsis literis):

Se o homem soubesse o valor que tem, a mulher andaria de quatro à sua procura.

Se o homem soubesse o valor que tem a mulher, andaria de quatro à sua procura.

Agora observe uma das edições que eles fizeram, note como pegaram o início e o fim da mensagem [360] com o objetivo claro de mudar seu sentido:

Mensagem original:

Mensagem adulterada:

Nem a tipografia é a mesma!

Será que Deltan é mais rápido que o Google? Note os horários. Façam as contas de quantos caracteres ele digitou em menos de um segundo!!!

Quem está ao lado da verdade precisa deste tipo de subterfúgio?

Diante de tantas evidências, não tiveram mais como negar e questionados pelo Jornal Nacional, assumiram que não publicaram o texto original! E cai mais uma narrativa de que não houve adulteração da suposta prova (que diga-se de passagem, não mostra nenhum ilícito [350], apenas que Sérgio Moro é mais íntegro do que imaginávamos).

Greenwald e sua “equipe” mudam datas, nomes de procuradores, inclusive inserindo nomes que não trabalharam na Lava Jato…

Para quem não sabe como funciona no Brasil, juiz tem poderes de tomar determinadas medidas de ofício sem requerimento da polícia ou MP e isto está expresso na legislação, segundo afirmou Sérgio Moro.

O The Intercept afirmava que o Pavão não merecia crédito porque estava “cheio de erros” e as informações se originavam de uma fonte anônima. [260] Troque Pavão por The Intercept. A frase não parece manter o sentido para você?

A máxima “acuse seus inimigos daquilo que você é” mantém-se viva na estratégia esquerdista. Vocês lembram quando os políticos do PSOL fizeram aquele teatrinho infantil com laranjas?

Pois bem, em reportagem investigativa, o jornalista Allan, do Terça Livre relata que Diogo José da Silva Flora, responsável pelo The IntercePT no Brasil é filiado ao PSOL desde 10 de novembro de 2010 e difícil é encontrar alguém lá que não seja. [270] Isso não caracteriza um laranjal?

Hoje percebemos o motivo de terem representado com tanta propriedade naquela manifestação que o máximo que conseguiu foi causar vergonha alheia…

E o mais “curioso” desta história foi que, após a denúncia do jornalista, o PSOL retirou do ar a lista de filiados do partido, como demonstrou Allan, “ao vivo”, no Terça Livre – Boletim da Manhã. O mesmo aconteceu ao tentar acessar as informações no site do TSE… [270] Quanta coincidência, não?

Os laranjas estão virando suco.

 

Os motivos

Mas afinal, por que hackearam Moro e Dallagnol?

Em 2014, por causa da queda do preço do barril de petróleo, a economia russa começou a sofrer. Putin começa a perder popularidade por causa da queda do preço do petróleo (a OPEP aumenta a produção), aumento de impostos sobre o consumo, aumento da idade mínima para a aposentadoria e o sangramento da economia.

Trump pressiona constantemente a OPEP para que a produção de petróleo aumente. O Irã, grande aliado da China e da Rússia, ataca, segundo os EUA, petroleiros americanos, causando aumento no preço do barril, permitindo um respiro para Moscou.

Putin começa a perder prestígio, após quase duas décadas, devido à dificuldade econômica russa. Decide então interferir na política de outros países (não apenas nos EUA, mas também na África).

Com a Venezuela é instrumento importante nesse mercado de petróleo. O Brasil, com a eleição de Bolsonaro enfraquece o Foro de São Paulo e consequentemente, o chavismo. Putin não pode mais contar com Lula, Chávez (falecido), Evo e Corrêa (Equador).

A empresa FireEye, de cybersegurança, detecta uma tentativa de interferência russa contra Bolsonaro nas eleições. Em 2016, a agência de inteligência militar russa, GRU, opera um vazamento de dados do Partido Democrata (você não leu errado!) através de uma persona criada por eles e operada por um hacker romeno, o Guccifer 2.0.

Mas por que o “ataque” aos Democratas?

O establishment Democrata e Republicano são pró-intervenção em países aliados da Rússia, mas Trump é anti-establishment.

E aqui as peças começam a se juntar: Gleen Greenwald interagiu com o hacker Guccifer 2.0 e obteve acesso exclusivo a esses dados vazados (como podem ver há recorrência).

O hacker mais procurado do mundo, Evgenyi Bogachev, é ativo extra-oficial da inteligência militar russa (GRU) e age em operações de inteligência e espionagem. Ele é apontado como o contratado para vazar os dados da Lava Jato.

Greenwald interagiu e teve acesso exclusivo em vazamento de dados de autoridades de outros países, em 2016, através de um hacker russo. Segundo o #ShowDoPavão, ele teria interagido com Bogachev (GRU) para ter esse acesso exclusivo.

Edward Epstein, jornalista investigativo, escritor famoso de espionagem, professor emérito de Ciência Política em Harvard, MIT e UCLA, apresenta uma tese forte onde afirma que Edward Snowden é espião russo. E não é só ele, membros e ex-membros da comunidade de inteligência dizem o mesmo. E adivinhe: Gleen Greenwald teve acesso exclusivo a seus vazamentos, também!

A emissora estatal russa, Rússia Today, que tem foco no Ocidente é acusada pelas democracias ocidentais de ser uma agência de propaganda do governo. E quem é o jornalista mais consultado por eles? Quem é objeto de matéria e entrevista com objetivo de melhorar a imagem da Rússia como país? Se acertar, ganha uma pena de Pavão! Sim, ele, Greenwald, que atacou, no Twitter, a inteligência americana por fazer operações contra a Rússia.

O Telegram tem ligações suspeitas com aliados do Kremlim e vimos na cronologia dos fatos, anteriormente neste artigo, que Greenwald parece ter uma bola de cristal.

Vamos agora unir os pontos:

A quem interessa (geopoliticamente falando) os ataques à Lava Jato e à Bolsonaro?
Quem é recorrente nesses tipos de ataque?
Ao rastrear o dinheiro onde chegaremos?
Que nome vem à mente que tem histórico de defender o grande beneficiário geopolítico, juntamente com Assange, Snowden e Stone?

O universo da Esquerda é cheio de coincidências. Greenwald repetiu um método de vazamento por três vezes com três hackers diferentes? E por que a Rússia foi sempre a beneficiada?

Em se comprovando isso, configura-se que um estrangeiro, alguns jornalistas e um diretor da Abraji cometeram crime contra a Segurança Nacional. Que outros membros do Estado brasileiro devem ter participado desta conspiração? [310]

 

Defesa

Vamos agora partir da premissa que essas mensagens são verdadeiras. [360]

Não há nenhum ilícito nelas! [350]

As mensagens de Moro apenas reforçam credibilidade da Lava Jato! [320] Grave foi a invasão do celular! A dissimulação é inacreditável.

Se quiser irritar um conservador conte-lhe uma mentira, se quiser irritar um esquerdista conte-lhe uma verdade.

Sérgio Moro, em sua nota sobre as supostas mensagens vazadas [360], lamenta a falta de indicação da fonte da informação obtida de forma criminosa contra agentes do Estado e a postura do The Intercept que não entrou em contato antes da publicação, contrariando um princípio básico do jornalismo e demonstrando qual seu real objetivo. [330]

Além disso, ele também alerta que não há anormalidade na conversa, apesar de terem sido tiradas de contexto com objetivo sensacionalista. [310]

A Lava Jato prestou um gigantesco serviço para o país e desconstruiu o maior esquema de corrupção da história do mundo. Desafio qualquer um a apontar um que tenha desviado tanto dinheiro como desviaram Lula e o PT. E com o handcap de usar apenas as informações já descobertas!

Apesar de já demonstrado que não é ilegal a conversa entre Juiz e Procurador, uma pergunta me incomoda: e com réu, pode? Porque eu não vi tamanho alvoroço quando isso ocorreu na suprema corte, pelo contrário, nossa PGR decidiu não prosseguir por não ter detectado nada demais. Ah, se fôssemos um país…

É de conhecimento público que o The Intercept é financiado pelo dono do eBay, não estamos lidando com amadores e a Polícia Federal agora investiga o que já suspeitávamos há algum tempo: a possibilidade de esquema de venda de vaga no Congresso Nacional pelo Deputado Jean Wyllys! [290]

A suspeita é que ele tenha vendido seu mandato a David Miranda, que é nada mais nada menos, que o “parceiro” de Greenwald [270]. Se isso se comprovar, fica caracterizado um crime de lesa pátria, pois instalou-se um escritório de espionagem dentro do próprio Congresso Nacional. Dizem as más línguas que o protagonista já pensa até em mudar de nome para fugir do país: “Glee Orangewaldo”.

O que já se sabe é que o patrimônio de David Miranda multiplicou por quatro após tornar-se sócio do Greenwald em empresas sediadas nos EUA. Uma das linhas de investigação é de que ele esteja mascarando financiamento estrangeiro das suas campanhas. E isso é proibido. [270]

O objetivo dessa gente é claro: enfraquecer o Governo e a Lava Jato e consequentemente libertar seu Don Corleone.

Não podemos permitir que Greenwald mantenha um país inteiro refém de sua agenda. Não podemos admitir, pois a Reforma da Previdência está no Congresso, sendo desidratada, desde o dia 20 de fevereiro de 2019. E note que nem estou levando em consideração o Pacote Anticrime, as outras Reformas e Projetos como a Tributária, o Homeschooling, a Reforma Política, etc. Medidas que o país tanto precisa para começar a crescer.

Meio ano já se foi e estamos arrastando essa âncora chamada Esquerda. Já ultrapassamos e muito a hora de dar um BASTA nisso. Até quando vamos tolerar essa afronta à Justiça e ao país?

Será que existe presídio em Taubaté?

 

VEJA TAMBÉM

 


[10] Em audiência, José Guimarães (PT-CE) sugere que Moro entregue celular

[20] Comissão sobre medidas contra a corrupção teve dez trocas de deputados, diz presidente

[30] José Guimarães sobre a Reforma da Previdência: “Resistir, protelar e derrotar”

[40] Hacker

[50] Hacker – Conceito, o que é, Significado

[60] Art. 5º, XII, da Constituição Federal

[70] Art. 180 do Código Penal – Decreto Lei 2848/40

[80] Art. 298 do Código Penal – Decreto Lei 2848/40

[90] Art. 299 do Código Penal – Decreto Lei 2848/40

[100] Art. 339 do Código Penal – Decreto Lei 2848/40

[110] Art. 340 do Código Penal – Decreto Lei 2848/40

[120] Lei que torna crime invadir celulares, tablets e computadores entra em vigor

[130] Lei Nº 12.737, de 30 de Novembro de 2012

[140] “Cabe pedido de prisão do Valdevaldo por fraude processual”

[150] Gleen Greenwald diz que conluio entre Moro e procuradores prejudicou Lula

[160] Post da Dra. Cynthia Santana Nogueira

[170] Thread de Filippe Irrazába

[180] Gleen Greenwald fala na Câmara sobre mensagens entre Moro e Dallagnol

[190] Gleen Greenwald diz que conversas de Moro divulgadas na internet são autênticas

[200] “Abuso de poder”, diz Gleen Greenwald sobre a PF, sob Moro, investigar suas finanças

[210] Afirma que Moro é cínico, que passou da linha de ética, que o chefe da Lava Jato era Sérgio Moro, que se fosse nos EUA estaria preso

[220] Gleen fala sobre vazamento de Moro na Câmara

[230] Jornalistas de verdade não “editam” reproduçōes de provas. Checagem existe apenas nos textos das reportagens

[240] Post de Iaragb

[250] IntercePT assume que não publicaram o texto original

[260] Thread da Dra. Alessandra Barbieri

[270] Responsável por The Intercept é filiado ao PSOL

[280] Uma pequena aula sobre como é possível fazer jornalismo sem usar produto de roubo

[290] Exclusivo: PF vai investigar suspeita de venda de mandato de Jean Wyllys

[300] Confira os vencedores do Prêmio Pulitzer 2014

[310] Por que hackearam Moro e Dallagnol?

[320] Supostas mensagens entre Moro e Dallagnol reforçam credibilidade da Lava Jato na luta por um Brasil melhor

[330] Sérgio Moro divulga nota sobre supostas mensagens vazadas

[340] Greenwald reitera autenticidade de material divulgado por site

[350] Folha recua e atesta que não houve conduta ilícita de Moro e procuradores em conversas

[360] Nota à imprensa

[370] Tuíte de Felipe Moura Brasil

[380] Intercept, liberdade de imprensa e a dinâmica processual penal

Pai, casado, católico, matemático, analista de sistemas, pós-graduado em Gestão de TI (USP), enxadrista, karatedoka, especialista em Gestão do Tempo.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites
2r1cl5phksggddln