Redes Sociais

Artigo

As narrativas por trás do acordão de Bolsonaro

Coluna do Isentões

Publicado

em

As narrativas por trás do acordão de Bolsonaro 20

Jair Messias Bolsonaro, 38º Presidente da República do Brasil, foi eleito democraticamente e considerado o primeiro representante conservador do país. Imediatamente a mídia foi tomada por incontáveis discursos sobre o problema da “falta de governabilidade do governo”.

“Bolsonaro continua no discurso de campanha no qual pregou mudanças rápidas no país, mas as mudanças não são tão rápidas numa democracia, o que é bom” e “o Congresso não é obrigado a ouvir o povo”, afirmou Rodrigo Maia.

“O presidente da Câmara pode ser o maior líder do governo ou o maior líder da oposição. Basta querer.”

“Bolsonaro terá de nos aturar por dois anos” e “falta agenda e articulação”, dizem Maia e  Davi Alcolumbre.

“É um erro que pode comprometer a governabilidade do presidente Jair Bolsonaro” disse a senadora Simone Tebet, presidente da CCJ, caso o PSL tentasse presidir o Senado.

“Falta liderança por parte do governo Bolsonaro para aprovar reformas e que precisa de mais governabilidade, assim como eu faço no Rio de Janeiro”, afirmou Wilson Witzel.

Em meio a ataques de todos os lados, puro caos institucional e com uma crise fiscal – a grande vilã da história – para resolver, Bolsonaro assumiu a liderança do país sob intensas críticas e em absoluta descrença entre os poderosos.

Apesar da previsão de 94% do orçamento estar reservado, em 2020, para o pagamento de despesas obrigatórias como a dívida pública, o refinanciamento da dívida, os juros, os salários e privilégios dos políticos e servidores, alguns tipos de auxílio e a própria Previdência, a cobrança por resultados é diária.

Jair precisa apresentar resultados rápidos com apenas 6% do orçamento, aproximadamente 200 bilhões de reais, reservados para o pagamento das despesas discricionárias, como pesquisas científicas, melhoria do ensino, modernização de hospitais e construção de estradas.

Para efeito de comparação, até outubro de 2019, o valor desidratado da reforma da Previdência pela Câmara e Senado, que inicialmente economizaria R$ 1,1 trilhão, equipara-se ao valor reservado para o pagamento das despesas que trariam maior qualidade de vida para a população.

Tem se discutido a exaustão sobre ter ou não ter União e Independência entre os poderes. Muitos falam que não é possível negociar com malfeitores. Brasil ou República Federativa do Brasil, é formada pela União, Estados, Distrito Federal e municípios, em que o exercício do poder é atribuído a órgãos distintos e independentes, submetidos a um sistema de controle para garantir o cumprimento das leis e da Constituição.

União, no sentido de trabalharem em prol dos mesmos objetivos e tirarem o Brasil da atual crise fiscal. Independentes, no sentido de poderem agir sem a interferência de outros poderes, como foi feito pelo STF, com os decretos de Bolsonaro sobre posse de armas, ou pelo Congresso, que ainda posterga a reforma da Previdência, pacote anticrime e reforma Tributária. Enquanto isso, chantageiam o Executivo a fazer o jogo do “veta tudo ou não veta nada”.

Entretanto, de acordo com o Felipe Moura Brasil, há três grupos e três possíveis narrativas a serem consideradas nesse momento; a dos bolsonaristas, no sentido de ser torcedor ou apoiador do governo e que acreditam no acordo como ferramenta para destravar a economia; a dos cadastrados, seguidores do Allan (Terça Livre) que curtiram a ideia de militância organizada e observam o acordo como ferramenta de combate ao Comunismo; e a do Estadão, Veja, Folha, Jovem Pan, ou seja, da mídia, que o acordo é para blindagem de Flávio Bolsonaro, Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

Para resolver a crise fiscal ou combater o Comunismo – outra pauta importante defendida pelo Jair – é necessário ter um país com instituições em funcionamento, mas os colarinhos brancos e togados não parecem preocupar-se muito com a evidente e próxima falência. Por meses o governo foi travado pelo Congresso e Supremo e nada relevante foi aprovado.

O problema da crise persiste e outras pautas indispensáveis para o país, como o pacote anticrime, reforma tributária e reforma da previdência ainda tramitam lentamente, sem previsão para serem aprovadas ou sancionadas.

Vale ressaltar que, todos os projetos que realmente podem salvar o país da crise, dependem da movimentação e palavra final do Congresso Nacional.

Em meio ao caos da troca de governo, até a reforma ministerial proposta pelo Jair foi votada em atraso no Congresso. A ação é tradicional em todos os governos, mas ao tornar-se chefe do Executivo, Bolsonaro tornou-se o manda chuva do COAF.

O órgão federal foi criado por Fernando Henrique Cardoso e, antes de ser transformado em uma ferramenta de caça e coerção, era usado apenas para elaborar relatórios financeiros.

Por medo de Bolsonaro usar o órgão como ferramenta de caça pessoal, igualmente fez o Ministério Público (melhor amigo da Globo), ao investigar ilegalmente diversas pessoas, foi dada a largada do “quem ficará com COAF, a nova galinha de ovos de ouro”.

Em meio a tudo isso, Toffoli, com o objetivo de evitar uma crise institucional, suspendeu algumas investigações relacionadas ao órgão por suspeita de ilegalidades.

Esse foi o elo utilizado pela mídia para colar a narrativa de um suposto acordão de blindagem. Recentemente, Paulo Guedes transferiu o COAF para o Banco Central, sepultou a narrativa mentirosa e resolveu completamente o problema. “Estamos muito enfeitiçados pelo barulho e não estamos vendo uma sociedade virtuosa, aperfeiçoando suas instituições”, citou ele em vídeo durante o anuncio da mudança.

Bolsonaro expressa que não fará a governabilidade da velha política, ligada ao sentido de realizar o toma lá dá cá, mas está aberto a dialogar com os outros poderes e procurar soluções. Surge então a proposta de um acordo entre os três poderes.

Para tornar o país governável e ter estabilidade política, social e financeira, em que o poder executivo pode exercer plenamente as suas atribuições, o Presidente decidiu ouvir a proposta de governabilidade de Maia. O dito “acordão” foi proposto no primeiro semestre, na residência do Maia e foi aceito por Toffoli, Davi e Bolsonaro.

A ideia era de cooperação entre os Presidentes dos três poderes. Mas, o Congresso nitidamente interessado na queda do Presidente desde a época do Michel Temer, antes mesmo do acordo tornar-se formal, desonrou a palavra de seus Presidentes, Davi e Maia, quando aprovou diversos projetos que foram contra a ideia de colaboração e resolução da crise.

O projeto de abuso de autoridade e o fundão eleitoral são ótimos exemplos da malícia nas ações dos chefes das capitanias partidárias brasileiras. Bolsonaro declarou então, em Julho, que nenhum acordo seria feito.

Sem demora, em Agosto, a mídia e seus representantes intelectuais passam a noticiar sobre o caso Flávio e sugerem que o pacto, assassinado antes do próprio nascimento, fora proposto para blindagens.

As narrativas estão na mesa e o pecado será não escolher a sua. As ilações intelectuais cativam os desinformados, enquanto a espiral de silêncio continua a expandir suas fronteiras.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Perfil que investiga dados públicos e torna essas informações acessíveis à população.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites