ARTIGO: O caos na Venezuela — o melhor resultado do Socialismo

Autor: 1 comentário Compartilhar:
Imagem: Ariana Cubillos/AP

O ano de 2017 na Venezuela, foi marcado por uma grave crise política que abalou diversos âmbitos sociais e econômicos, por diversos protestos contra o governo que deixaram 124 mortos, pelas eleições fraudulentas vencidas por candidatos aliados à ditadura de Nicolás Maduro, e por uma hiperinflação nunca vista antes.

O cenário de balbúrdia somado com as decisões autoritárias do ditador Nicolás Maduro causaram a escassez de alimentos e mantiveram os índices de violência na Venezuela entre os mais altos da América Latina. De acordo com o levantamento anual divulgado pelo Observatório Venezuelano de Violência (OVV), no ano passado, 26.616 pessoas foram assassinadas, uma taxa de 89 vítimas a cada 100 mil habitantes – a segunda maior da América Latina, atrás apenas de El Salvador.

Conforme consta no Relatório Anual de Violência 2017, do total de mortes:

  • 16.046 correspondem a homicídios;
  • 5.535 a assassinatos por resistência à autoridade;
  • 5.035 mortes ainda sob investigação.

Totalizando uma média de 73 mortes por dia.

Segundo o Relatório, três fatores foram determinantes para a violência na Venezuela em 2017:

  1. A queda da qualidade de vida dos venezuelanos;
  2. A dissolução sistemática do estado de direito no país;
  3. O aumento da violência e da repressão por parte da ditadura de Nicolás Maduro.
Wuendy Perez, mãe de cinco filhos, com a mais nova. O colapso econômico reduziu drasticamente o poder de compra dos consumidores. Foto: Meridith Kohut/The New York Times

“Aumentou a violência entre os cidadãos. Há uma nova forma de criminalidade, inédita no país, vinculada à agressividade pela concorrência por bens e serviços, à fome e à escassez de bens e produtos alimentares”
(…)
“O mais espantoso dos dados de 2017 são as causas de algumas das mortes, provocadas por disputas por alimentos e até entre integrantes da mesma família” (…) “Muitas vezes, essas disputas familiares levam à violência doméstica, quando os membros da família discutem pelos poucos alimentos que há no lar, o que tem levado à situações difíceis, duras e à algumas mortes violentas”, disse o sociólogo Roberto Briceño-León, diretor do Observatório Venezuelano de Violência.


Que ninguém jamais esqueça: PT, PCB, PCdoB, PSOL, REDE e outros partidos e líderes de esquerda, especialmente Lula, apoiaram explicitamente o regime de Nicolás Maduro – o qual comete crimes contra a humanidade. O pior tipo de crime que se pode imaginar.

Como diz o professor Olavo de Carvalho, o resultado na Venezuela não deu errado. Eles buscaram o socialismo e encontraram o melhor resultado desse sistema diabólico: Desordem; Fome; Morte.

O PT, junto a outros partidos de esquerda, tentou implantar esse regime no Brasil, de forma gradual, para que ninguém sentisse os efeitos a tempo, assim como um sapo cozinhando na água quente.

O resultado nós podemos ver agora, na economia, na segurança, na saúde pública, na Educação, ou melhor, na falta disso tudo.

É muito importante que nas eleições de 2018, todo brasileiro lembre disso. A esquerda nunca deu certo e nunca dará. O socialismo nunca deu certo e nunca dará. O comunismo é apenas uma utopia presente na imaginação de pessoas que não vivem a realidade ou até mesmo se aproveitam desse discurso para enganar inocentes. Do contrário, lamente no futuro por ter contribuído para a desgraça do seu próprio povo e na sua própria família – como agora choram os venezuelanos.

Para isso, não há desculpa, para isso não há perdão.

“EL SOCIALISMO NOS ESTA MATANDO.”
Post anterior

Entenda como a Igreja tem sobrevivido diante das guerrilhas

Próximo post

PT confirmará candidatura de Lula ao Planalto um dia após o julgamento

Você pode gostar também:

1 comentário

  1. O Bolsonaro tem que decidir logo em qual partido vai filiar, parece que ele e seus assessores não percebem o quanto essa demora está sendo ruim

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.