Redes Sociais

Aborto

Mesmo se movendo, médicos deixam recém-nascido morrer em refrigerador de necrotério

Thaís Garcia

Publicado

em

Mesmo se movendo, médicos deixam recém-nascido morrer em refrigerador de necrotério 19
Imagem: Colagem/ East2west News

Dois médicos do Cazaquistão responderão no tribunal pela morte de um bebê recém-nascido. Inicialmente, a criança parecia natimorta, mas depois de alguns minutos a criança moveu as pernas. No entanto, os médicos colocaram o bebê recém-nascido no refrigerador do necrotério, onde ele acabou morrendo, informou o jornal Kazpravda.

Natimorta é a característica do bebê que entrou em óbito ainda no útero materno ou durante seu nascimento.

O terrível caso no Cazaquistão veio à tona por acidente. O telefone do médico-chefe do hospital, Kuanysh Nysanbaev, foi utilizado pela polícia para uma investigação de suborno. O serviço anticorrupção da polícia interceptou, “por acaso”, uma ligação do médico sobre a criança que morreu no refrigerador do necrotério do hospital.

Nysanbaev é acusado, separadamente, de subornar funcionários para encobrir erros médicos e obter luxuosas férias no exterior.

Mesmo se movendo, médicos deixam recém-nascido morrer em refrigerador de necrotério 20

Centro perinatal regional de Atyrau, no Cazaquistão.

“Após o nascimento, o bebê foi registrado negligentemente como natimorto, enquanto na verdade, ele ainda estava vivo. Depois que a criança deu sinais de vida, os médicos, em vez de tomar medidas para salvar a criança, decidiram agir de acordo com a papelada já emitida, dizendo que o bebê era natimorto. Eles o colocam no refrigerador do necrotério e o deixam morrer lá. Ele falou sobre o bebê no telefone … O bebê morreu no refrigerador”, disse o chefe de polícia, Shyngys Kabdula.

Os dois médicos, Nysanbaev e um obstetra não identificado – do centro perinatal regional de Atyrau – estão na prisão e em breve terão que comparecer ao tribunal. Eles arriscam 20 anos de prisão por assassinato.

Nysanbaev e o obstetra decidiram que o banco de dados de computadores do hospital já mostrava que o bebê estava morto e que não queriam corrigi-lo.

“Essa acusação contra os médicos me aterroriza”, comentou o chefe regional de saúde, Manshuk Aimurzieva.

O vice-ministro da Saúde do Cazaquistão, Lyazzat Aktayeva, pediu desculpas à família da criança.

Outras mortes

Segundo um anúncio do assistente sênior interino do promotor regional, Daulet Aymagambetov, desde o início de 2019, das 5.046 crianças nascidas no centro perinatal regional de Atyrau, 56 morreram imediatamente após o nascimento e 77 morreram no útero, informou o Kazpravda.

E em 26 de maio deste ano, uma mulher residente na região de Isatai morreu ao dar à luz no centro perinatal.

Aymagambetov observou que a mortalidade infantil na região é um tópico de discussão especial entre a população. Desde o início do ano, foram instaurados 5 processos criminais por cumprimento inadequado de deveres profissionais pelo pessoal médico de Atyrau.

Investigação

O Ministério Público da região de Atyrau iniciou uma investigação e examinará cada fato de morte infantil e também da mulher que morreu ao dar à luz.

Atualmente, dois casos criminais estão sendo investigados nesta categoria de casos, um dos quais está em tribunal.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites