Racismo escancarado. O apartheid brasileiro disfarçado de justiça social.

Autor: Nenhum comentário Compartilhar:

O racismo é uma pauta base da maioria dos políticos e militantes de esquerda. Defensores de causas sociais, usam desse meio para enganar, manipular e colocar pessoas umas contra as outras além de diminuir e taxar como incapaz um indivíduo por causa da cor de sua pele e ainda dizem que existe uma “dívida história” para servir de máscara do racismo incubado. 

No dia 24 de janeiro de 2018, a secretária de educação de Minas Gerais, Macaé dos Santos, subordinada do Governador Petista Fernando Pimentel, baixou uma resolução que define critérios de seleção de professores para trabalhar nas comunidades quilombolas.

 

 O direito de dar aula para alunos quilombolas será para aqueles professores que também pertencem a comunidade, o professora ainda terá que provar que é quilombola de acordo com o artigo 14 da resolução. 

A Secretária aparenta fazer muito bom uso da frase “Dividir para conquistar”. 

Post anterior

Mulher é detida transportando corpo do marido em mala no Rio de Janeiro

Próximo post

Tríplex atribuído a Lula tem dívida de R$ 80 mil com IPTU

Você pode gostar também:

Deixe uma resposta